Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Fãs recebem ‘indenização’ por morte de Michael Jackson

Se o 1 euro simbólico não for pago pleo médico Conrad Murray, culpado pela morte do astro, os cinco fãs poderão solicitar o acesso ao túmulo de Michael Jackson em Los Angeles, que está fechado para o público

Por Da Redação 11 fev 2014, 17h42

Cinco fãs de Michael Jackson obtiveram nesta terça-feira uma indenização simbólica pelo “dano emocional” causado pela morte do cantor em 2009, ante um tribunal francês. Os cinco faziam parte de um grupo de 34 pessoas que entraram na justiça contra o médico Conrad Murray, condenado a quatro anos de prisão nos Estados Unidos pelo homicídio culposo do astro, e receberam 1 euro (3,27 reais) cada um. Para o juiz do tribunal de Orleans, essas cinco pessoas, originárias da Suíça, Bélgica e França, provaram o “sofrimento” causado pela morte do ídolo.

MAIS: ‘Não matei Michael Jackson’, diz médico

Katherine Jackson pede reabertura de julgamento contra produtora

Os cinco provaram seu “sofrimento” por meio de testemunhas e atestados médicos, segundo Emmanuel Ludot, advogado que representava os fãs. “Esta é a primeira vez, que eu saiba, que é reconhecido o conceito de dano emocional em conexão com a morte de uma estrela pop”, comemorou Ludot. “A ligação emocional não era de mão dupla, os fãs amavam Michael Jackson, mas ele não os conhecia pessoalmente.” O advogado também festejou o fato de ter ido até o fim com o processo, “apesar das zombarias”.

Na prática, se o 1 euro simbólico não for pago por Murray, que foi libertado no ano passado, o reconhecimento do estatuto de vítima vai permitir que os cinco solicitem o acesso ao túmulo de Michael Jackson em Los Angeles, que está fechado para o público.

Michael Jackson morreu em Los Angeles em 25 de junho de 2009, aos 50 anos de idade, de uma overdose de propofol, um anestésico poderoso utilizado como sonífero, com a ajuda de seu médico. Entre os queixosos, está Myriam Walter, presidente do fã clube “Michael Jackson Community”, com sede em Montargis (centro da França), que deu início ao procedimento, mas que não foi agraciada pela “indenização”.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade