Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Euforia pós-pandemia: Disney reabre na China com ingressos esgotados

Sinal de otimismo para mundo do entretenimento, parque em Shanghai receberá 24.000 pessoas por dia, com distanciamento social e uso de máscaras

Por Amanda Capuano
Atualizado em 8 Maio 2020, 13h24 - Publicado em 8 Maio 2020, 12h05

Mais de três meses depois de fechar as portas por causa da pandemia de coronavírus, a Disney de Shanghai – primeira unidade da rede da gigante do entretenimento global a aderir à quarentena – volta à ativa na próxima segunda-feira, 11. E com ingressos esgotados: segundo o site da atração, não há mais entradas disponíveis para os três primeiros dias do retorno, nem tampouco para o sábado, 16.

O parque chinês funcionará com 30% de sua capacidade e deve receber cerca de 24.000 pessoas por dia, seguindo regras estritas: os ingressos precisam, obrigatoriamente, ser adquiridos online, filas e restaurantes terão de respeitar o distanciamento social, o uso de máscara é obrigatório para visitantes e funcionários, e as famosas paradas e shows noturnos estão suspensos. Apesar disso, a mídia local reportou que algumas modalidades de ingressos se esgotaram em minutos. Nos sites de revenda Fluggy e Meituan, todas as entradas disponíveis para a primeira semana de reabertura já foram adquiridas, de acordo com a Reuters.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição ()
Clique e Assine

O desempenho fortalece uma visão mais otimista sobre o pós-quarentena, e é um bom indicativo para o futuro da indústria do entretenimento. Para os mais esperançosos, a euforia de aproveitar tudo o que não era possível durante a pandemia pode ser um bom combustível para a retomada do mercado. Depois de meses de confinamento, o retorno do público ao cenário cultural seria um movimento natural. Na outra ponta, os mais pessimistas acreditam que o mais provável é que o medo se sobreponha a isso, impedindo que as pessoas retomem de imediato o hábito de frequentar parques, cinemas e demais atrações.

Continua após a publicidade

Primeiro epicentro da pandemia, a China não registra mortes por coronavírus há mais de três semanas. Segundo os dados oficiais, na primeira semana de maio, o país teve apenas doze novos casos da doença. No total, foram 82.886 infectados e houve 4.633 óbitos desde o primeiro registro do vírus, em novembro. Os demais parques da Disney pelo mundo seguem fechados e sem previsão de reabertura. De acordo com o site Hollywood Reporter, as atrações deixaram de arrecadar cerca de 1 bilhão de dólares no primeiro trimestre de 2020. Até o fim de março, a gigante do entretenimento registrou uma queda de 1,4 bilhão de dólares em receitas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.