Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Escritora Maya Angelou morre aos 86 anos

Ativista dos direitos humanos se tornou uma das mais influentes personalidades americanas e lutou pela igualdade racial nos EUA ao lado de Martin Luther King

Por Da Redação 28 Maio 2014, 12h34

A escritora, poetisa e ativista dos direitos humanos Maya Angelou morreu nesta quarta-feira, aos 86 anos, em sua casa, na cidade de Winston-Salem, nos Estados Unidos. A causa da morte ainda não foi divulgada, mas, de acordo com sua agente, Helen Brann, a poetisa estava com a saúde frágil e sofria de problemas cardíacos. As informações são do jornal americano The New York Times.

“Ela foi uma guerreira pela igualdade, tolerância e paz”, diz o comunicado oficial da família publicado na página do Facebook da artista. “Somos gratos pelo tempo vivido com ela e sabemos que ela está nos olhando lá de cima com amor.”

Nascida em St. Louis, Missouri, a escritora também trabalhou como cantora, dramaturga, compositora e atriz. Lutou contra a segregação racial nos Estados Unidos ao lado dos icônicos Martin Luther King e Malcom X.

De origem pobre, Maya atuou na política como parte dos comitês dos presidentes Gerald Ford em 1975 e Jimmy Carter em 1977. Foi homenageada em 2000 por Bill Clinton e, em 2010, recebeu a mais alta condecoração civil americana, a Presidential Medal of Freedom, das mãos do presidente Barack Obama.

Leia também:

Elizabeth Bishop, a poetisa americana de ‘Flores Raras’

Continua após a publicidade

Vinicius de Moraes: a prova de que biografias iluminam artistas

Em seu primeiro livro, Eu Sei Porque o Pássaro Canta na Gaiola (Editora José Olympio), ela narra sua infância e adolescência, o abuso sexual sofrido aos 7 anos de idade e o desejo de ser uma criança branca. Lançado em 1969, a autobiografia foi sucesso de crítica e publico e fez dela uma das autoras negras mais lidas no país americano na época. A obra foi seguida de mais seis livros autobiográficos.

Maya foi convidada por Bill Clinton para ler o poema On The Pulse of Morning, em sua primeira cerimônia de posse, em 1993, e também foi a eleita para homenagear o músico Michael Jackson, em seu funeral, em 2009, onde leu a poesia We Had Him.

Ativa nas redes sociais, Maya avisou em sua página do Facebook que teve uma emergência médica na segunda-feira, dia 26, que a impediu de comparecer a uma cerimônia onde seria homenageada. Já seu último post no Twitter, de 23 de maio, traz a frase: “Escute a si mesmo e no silêncio você será capaz de ouvir a voz de Deus”.

Continua após a publicidade
Publicidade