Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Encontrado mapa da Terra Média com anotações de Tolkien

No documento, o autor de 'O Senhor dos Anéis' descreve detalhes da flora e da fauna da fictícia Hobbiton, onde moram os Hobbits em seus livros

Por Da Redação 26 out 2015, 14h32

Um mapa recém-descoberto no Reino Unido revela as cidades que J.R.R. Tolkien usou como inspiração para criar a Terra Média, local onde se passam os acontecimentos de O Senhor dos Anéis. As anotações do autor na folha de papel mostram que Hobbiton, onde residem os Hobbits, fica na mesma latitude que a cidade britânica de Oxford, onde Tolkien morava. Já Ravena, na Itália, teria sido a inspiração para a concepção de Minas Tirith, cidade fictícia que arquitetos britânicos tentaram tornar real com uma vaquinha bilionária. O mapa foi encontrado por um especialista da editora Blackwell’s Rare Books solto dentro do livro de O Senhor dos Anéis que pertenceu à aclamada ilustradora britânica Pauline Baynes. A Blackwell colocou o raro item à venda por 60.000 libras (363.870 reais) e o descreve como “um importante documento, talvez o mais importante de Tolkien a surgir nos últimos vinte anos”.

LEIA TAMBÉM:

‘Orcs’ prometem destruir réplica de cidade de ‘O Senhor dos Anéis’

Conto inédito de Tolkien será publicado neste mês

Primeira edição de ‘O Hobbit’ é leiloada por R$ 654.000

De acordo com a editora, o mapa havia sido retirado por Pauline de uma outra edição de O Senhor dos Anéis para que a ilustradora pudesse trabalhar em seu próprio mapa colorido da Terra Média, que viria a ser publicado no Reino Unido em 1970. Em verde, para orientá-la, há anotações de Tolkien sobre como ele deveria ser, além de outras escritas pela própria desenhista. O autor corrige nomes de lugares e faz indicações sobre a fauna e flora de Hobbiton. Para a Blackwell, as dicas mostram um pedaço da “mente criativa” de Tolkien, que também usou Chipre, Belgrado, na Sérvia, e Jerusalém, em Israel, como referências.

“O mapa mostra com Tolkien era completamente obcecado com os detalhes. Era dificíl trabalhar com ele, mas muito recompensador no fim”, afirmou em nota Sian Wainwright, especialista da Blackwell.

Em seu diário, Pauline descreve um encontro em agosto de 1969 com Tolkien sobre o que “há de ser feito no mapa”, e como ele “não ajudou em nada”. Depois, no entanto, a ilustradora diz que o escritor “está em grande forma, usando primeiro nome e distribuindo beijos, e também muito satisfeito com o mapa”. A Blackwell colocou à venda uma série de obras de Pauline, inclusive as ilustrações dela para a edição britânica de As Crônica de Nárnia, de C.S. Lewis. Ela morreu aos 85 anos, em 2008.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)