Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Emmy 2017: ‘Stranger Things’ decepciona em noite de ‘Big Little Lies’

Prêmio principal foi para ‘The Handmaid’s Tale’, ofuscando a produção da Netflix. Já a série da HBO levou todas, como esperado

Por Meire Kusumoto Atualizado em 18 set 2017, 00h57 - Publicado em 18 set 2017, 00h41

Quem esperava ver as crianças fofas de Stranger Things subirem ao palco do Emmy 2017 para coletar a estatueta de melhor série dramática se desapontou. Favorita, a produção acabou desbancada por The Handmaid’s Tale, do serviço de streaming concorrente da Netflix, Hulu, que se passa em um futuro próximo e distópico, em que os Estados Unidos foram transformados em uma nação fria e desumana. Além de vencer o troféu mais importante da noite, o seriado também rendeu a estatueta de melhor atriz em série dramática para Elisabeth Moss (Mad Men), de atriz coadjuvante para Ann Dowd – que concorria com Millie Bobby Brown, de Stranger Things –, de roteiro a Bruce Miller e de direção a Reed Morano.

Outro destaque da festa foi a série da HBO Big Little Lies. A produção, inspirada pelo romance de mesmo nome de Liane Moriarty, confirmou seu favoritismo ao ganhar cinco troféus: melhor série limitada, atriz para Nicole Kidman – seu primeiro Emmy da carreira –, ator coadjuvante para Alexander Skarsgard, atriz coadjuvante para Laura Dern e direção para Jean-Marc Vallée.

Nas categorias de comédia, os maiores premiados foram os queridinhos Veep e Saturday Night Live. A produção da HBO que satiriza a política americana levou os troféus de série cômica e atriz (para Julia Louis-Dreyfus, seu sexto prêmio pelo mesmo papel, um recorde). Já o programa da NBC ficou com prêmios por ator coadjuvante em série cômica (para Alec Baldwin), atriz coadjuvante (para Kate McKinnon), melhor programa de esquetes e direção de programa de variedades (para Don Roy King).

A festa, como todo ano, foi corrida. Não deu muito tempo para fazer piadas e nem longos discursos – Sterling K. Brown, vencedor da estatueta de melhor ator em série dramática por This Is Us, por exemplo, até tentou se alongar no agradecimento, mas não só foi interrompido pela música como teve seu microfone cortado. Um tanto deselegante por parte da produção, aliás. Apresentada por Stephen Colbert, crítico ferrenho do governo Donald Trump, a cerimônia foi menos política do que se esperava. Claro que houve provocações ao presidente americano – de Colbert, de Alec Baldwin, que o interpreta no Saturday Night Live, de Tatiana Maslany e outros –, mas os protagonistas da premiação, ou seja, os premiados, foram bem pontuais quanto às questões sociais em suas falas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês