Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Elza Soares: 5 sucessos que marcaram a carreira da cantora

Cantora usou sua voz incomparável para entoar letras contra o racismo e o machismo, assim como para chorar as dores do coração

Por Gabriela Caputo, Marcelo Canquerino, Amanda Capuano Atualizado em 20 jan 2022, 19h16 - Publicado em 20 jan 2022, 18h20

O Brasil perdeu nesta quinta-feira a cantora Elza Soares, aos 91 anos. Dona de uma voz marcante e enérgica, Elza usou as agruras de uma vida marcada por dificuldades como fonte de inspiração para suas letras. Ao longo da carreira, defendeu bandeiras como a luta contra o racismo e em prol da independência feminina, dando voz a mulheres que, assim como ela, tiveram de enfrentar o machismo e o racismo na conquista por um espaço. Confira a seguir a seleção de VEJA com cinco sucessos da cantora:

Se Acaso Você Chegasse

Composição de Lupicínio Rodrigues, o samba Se Acaso Você Chegasse ficou conhecido nas rádios pela voz de Elza Soares, na década de 1960. A gravação marca também o lançamento de seu primeiro disco, de mesmo título, pela Odeon.

A Carne

Lançada originalmente pelo grupo Farofa Carioca, em 1998, a música tem Seu Jorge como um de seus compositores e ficou famosa na voz de Elza em 2002, quando pediu para gravar a canção como uma forma de chamar a atenção do público para o racismo, uma bandeira levantada por ela ao longo da carreira.

Continua após a publicidade

Espumas ao Vento

Gravada por Elza em 2003 para a trilha sonora do filme Lisbela e o Prisioneiro, a música foge do teor político geralmente adotado pela cantora em suas canções. Sua voz emotiva, aqui, abraça as agruras de um relacionamento em crise.

Mulher do Fim do Mundo 

Para além da identificação que muitas mulheres podem ter ao escutar essa canção, a letra é, sobretudo, sobre a própria trajetória de Elza. A música, parte do álbum A Mulher do Fim do Mundo, lançado em 2015, relembra a história da cantora e é uma ode sobre sua vida e sua potência — ardente até os dias de hoje.

Maria da Vila Matilde  

Elza Soares não teme colocar o dedo na ferida quando o assunto são problemas sociais. Com o verso clássico “cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim”, a canção Maria da Vila Matilde, primeiro single do álbum A Mulher do Fim do Mundo, de 2015, prega a liberdade feminina e o direito da mulher de viver livre de qualquer violência.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês