Clique e assine a partir de 8,90/mês

Dominguinhos está em coma irreversível, diz jornal

Segundo o jornal 'Diário de Pernambuco', a família foi informada no fim do mês passado de que o sanfoneiro não irá mais acordar

Por Da Redação - 15 mar 2013, 10h50

O músico pernambucano Dominguinhos, de 71 anos, que está internado desde o dia 17 de dezembro do ano passado, está em coma irreversível, segundo o jornal Diário de Pernambuco. A publicação cita o filho mais velho do primeiro casamento do cantor, Mauro da Silva Moraes, como fonte. O hospital, contudo, não confirma a informação.

Segundo o jornal, a família foi informada no dia 25 de fevereiro pelos médicos do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, que o sanfoneiro não irá mais acordar. “Quando meu pai ainda estava internado em Recife, um médico disse que ele não ia mais acordar. Não acreditei, outros médicos disseram que ele poderia sair do coma. Ele abria os olhos e ficava todo mundo esperançoso. No mês passado, o médico dele no Sírio-Libanês falou que o coma não tinha mais volta. Eu perguntei se ele ia acordar e ele me disse que não, que o quadro do meu pai estava caminhando para um coma vegetativo”, afirmou o filho.

“É triste saber que os admiradores não sabem o verdadeiro estado de saúde dele. As pessoas pensavam que ele estava melhorando. O marca-passo foi retirado, um dos rins está funcionando, mas ele não tem reação alguma. Faz alguns movimentos, como apertar a mão, mas os médicos disseram que é involuntário”, afirmou Moraes. “Oro todo dia para ele acordar. Milagres existem.”

Procurada pelo site de VEJA, a assessoria do Sírio-Libanês não quis comentar a informação do jornal – diz apenas que continua valendo o que foi passado no último boletim médico, divulgado no dia 14 de janeiro, que informava que Dominguinhos permanecia internado na UTI e “respondendo de forma satisfatória ao tratamento médico”.

Histórico – O compositor foi internado no dia 17 de dezembro na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Joana, em Recife, com quadro de infecção respiratória e arritmia cardíaca. Ele foi submetido a uma traqueostomia e fazia sessões de hemodiálise. Ele também passou por cirurgia para colocar um marca-passo temporário, que já foi retirado, segundo o filho do músico. No dia 13 de janeiro, o músico foi transferido para o Sírio-Libanês, em São Paulo, a pedido da família. Ele sofre de câncer de pulmão há cerca de seis anos e é diabético.

Discípulo de Luiz Gonzaga, José Domingos de Morais nasceu em 1941, na cidade de Garanhuns, agreste pernambucano. Seu primeiro disco, Fim de Festa, saiu em 1964. Em 2002, o músico levou um Grammy Latino com o CD Chegando de Mansinho.

Continua após a publicidade
Publicidade