Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Disney e Pixar voltam a apostar em animais falantes

'Zootopia', 'O Bom Dinossauro' e 'Procurando Dory' são alguns dos próximos projetos dos estúdios de animação

Por Da Redação 18 ago 2015, 11h00

Menos de um ano depois de assumir como CEO da Walt Disney Company, em 2005, Bob Iger anunciou a compra da Pixar, que tinha substituído a Disney como o lugar onde se produziam desenhos de qualidade. “Tínhamos uma emergência porque precisávamos infundir o estúdio com grandes talentos da animação”, disse Iger em uma sessão com a imprensa internacional durante a D23, convenção para fãs da Disney. Deu mais do que certo, como provam os Oscar da categoria para Operação Big Hero e Frozen – Uma Aventura Congelante e os estrondosos 1,2 bilhão de dólares faturados pelo filme com as princesas Elsa e Anna.

“O estúdio está de volta por causa das pessoas que trabalham lá”, disse John Lasseter, diretor criativo da Disney Animation e da Pixar. O evento deu um gostinho das próximas atrações, como Zootopia, de Byron Howard e Rich Moore, com estreia prevista para fevereiro. “Sempre adorei as animações da Disney com animais falantes, ainda mais aqueles em que eles usam roupas”, contou Lasseter.

Zootopia é uma cidade feita por e para bichos – a equipe foi ao Quênia para observar de perto a fauna em seu habitat natural. Mas depois foi preciso uma dose de imaginação para colocá-los sobre duas patas, como seres humanos. Os personagens principais são a coelha policial Judy e a raposa Nick. A cantora Shakira faz Gazelle. A plateia se divertiu com trechos do filme em que Nick tenta comprar um picolé para seu filho adotivo, que pensa ser um elefante, e quando ele e Judy procuram uma informação num departamento de trânsito em que todos os funcionários são bichos-preguiça.

Leia também:

Disney terá sua primeira cena de nudez, diz executivo

Continua após a publicidade

Disney anuncia continuação de ‘Frozen’ e spin-off de ‘Star Wars’

Xerife Woody vai cair de paixão em ‘Toy Story 4’

A mais nova princesa da Disney vai ser uma moradora de uma ilha no Pacífico Sul. Moana, de John Musker e Ron Clements, estreia no final de 2016 e mostra a personagem-título numa viagem pelo mar na companhia do semideus Maui, que se transforma em animais e é dublado por Dwayne Johnson. Antropólogos, historiadores e anciãos daquela região serviram como consultores.

O próximo longa-metragem da empresa a chegar aos cinemas será O Bom Dinossauro, de Peter Sohn, com lançamento em janeiro no Brasil. “É um filme em que o dinossauro é o menino, e o menino é o cachorro”, disse o diretor sobre a amizade de um dinossauro e um garoto pré-histórico. Nas cenas apresentadas na D23, impressionaram as paisagens, que parecem filme de verdade, mas são animação. Também está no roteiro de estreias da Pixar a sequência Procurando Dory, de Andrew Stanton e Angus MacLane, continuação de Procurando Nemo.

Porém, a companhia não vai abandonar os contos de fada. Agora, é a vez de João e o Pé de Feijão, transformado em Gigantic, de Nathan Greno, um musical com canções da mesma dupla que fez Let it Go, de Frozen, Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez. “É meu conto de fadas favorito e não tem uma versão definitiva”, disse Lasseter. Os criadores decidiram ambientar a história na Espanha das grandes explorações marítimas. Uma das gigantes encontradas pelo protagonista acima das nuvens é Inma, de 11 anos, inspirada por uma garotinha espanhola espevitada encontrada pela equipe na viagem de pesquisa.

(Da redação com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade