Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Disney consultou anões para evitar estereótipos em ‘Branca de Neve’

Em resposta ao ator Peter Dinklage, a empresa afirmou que o live-action da história trará uma nova abordagem dos sete personagens

Por Amanda Capuano Atualizado em 26 jan 2022, 11h44 - Publicado em 26 jan 2022, 11h40

Depois de ser acusada de hipocrisia por Peter Dinklage por escolher uma Branca de Neve latina, mas regravar uma história que perpetua estereótipos sobre anões, a Disney emitiu um comunicado afirmando que o live-action de Branca de Neve terá uma nova abordagem para que características negativas erroneamente associadas ao nanismo não sejam reproduzidas. “Para evitar os estereótipos da animação original, vamos tomar uma nova abordagem com os sete personagens, e temos consultado membros da comunidade anã”, diz um comunicado reproduzido pela Variety.

Durante uma participação no podcast WTF, do comediante Marc Maron, Dinklage, que possui uma forma de nanismo, e ficou conhecido por seu papel como Tyrion Lannister em Game of Thrones, avaliou a decisão de refilmar o conto de fadas como retrógrada. “Você ainda está contando a história da Branca de Neve e os Sete Anões. Você é progressista de certa forma, mas ainda está fazendo aquela p*rra de história retrógrada de sete anões vivendo na caverna. Eu não fiz nada para avançar essa causa do meu palanque? Acho que não falei alto o suficiente,” opinou o ator.

Nos últimos anos, a medida em que o debate identitário ganhou forma no mundo, o estúdio assumiu o teor problemático de algumas de suas produções antigas, como a forma negativa com que os nativo-americanos são mostrados em Peter Pan (1953). “Este programa inclui representações negativas e/ou maus tratos de pessoas ou culturas. Estes estereótipos eram incorretos na época e continuam sendo incorretos hoje em dia”, diz a mensagem exibida antes do filme no Disney+. O mesmo texto também antecede Dumbo (1941), Aristogatas (1970), A Dama e o Vagabundo (1955) e A Cidadela dos Robinsons (1960). O aviso ainda indica que o público acesse o site Stories Matter, que traz explicações sobre as razões de cada filme ter recebido a mensagem de alerta.

A deduzir pelo comunicado, o estúdio seguirá caminho similar com a regravação de Branca de Neve — mas, ao invés de simplesmente adicionar um aviso, a produção deve ser repaginada levando em conta temas discutidos no século XXI, entre eles o capacitismo em relação a pessoas com deficiência. No comunicado enviado à imprensa, a Disney não detalhou qual será a “nova abordagem” em relação aos anões de trama, mas disse estar ansiosa para compartilhar mais informações à medida que o filme avança no processo de produção. A refilmagem está programada para estrear em 2023 e trará Rachel Zegler no papel principal e Gal Gadot como Rainha Má.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês