Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Diretor Bryan Singer é acusado por mais quatro pessoas de abuso sexual

Revista 'The Atlantic' traz depoimentos de vítimas que teriam de 14 a 17 anos quando foram abusadas ou seduzidas pelo cineasta de 'Bohemian Rhapsody'

Por Redação
Atualizado em 23 jan 2019, 19h51 - Publicado em 23 jan 2019, 19h40

Quatro novas acusações de abuso, violação sexual e estupro contra o cineasta Bryan Singer, diretor de Bohemian Rhapsody, a cinebiografia do Queen, foram divulgadas pelo site da revista The Atlantic nesta quarta-feira, 23. A revista conta que investigou por um ano e ouviu cinquenta fontes para chegar às denúncias que dão conta de violação, abuso ou sedução de meninos com idades entre 14 e 17 anos de idade.

Apenas uma das quatro novas supostas vítimas se identificou à revista. Victor Valdovinos, que afirma ter sido figurante do filme O Aprendiz, dirigido por Singer em 1998. Segundo ele, o cineasta apalpou seu órgão sexual em um momento das filmagens. Os outros três acusadores são identificados por pseudônimos: um deles, Andy, afirma que aos 15 anos fez sexo com Singer; outro, Eric, diz que tinha 17 quando começou um caso com o cineasta, que na época tinha 31 anos de idade; o terceiro, identificado como Ben, diz que fez sexo oral em Singer quando tinha “17 ou 18 anos”.

Singer diz que a avalanche de acusações são de oportunistas diante do sucesso de Bohemian Rhapsody. “É triste que a The Atlantic se rebaixe a este baixo padrão de integridade jornalística. Mais uma vez, sou forçado a reiterar que essa história retoma as afirmações de ações judiciais falsas, executada por um elenco de pessoas de má reputação, dispostas a mentir por dinheiro ou atenção. E não é surpresa que, com Bohemian Rhapsody sendo um sucesso premiado, esta peça homofóbica foi convenientemente planejada para tirar proveito de seu sucesso”, divulgou o cineasta por meio de seu advogado, Andrew Bettler.

O diretor foi demitido antes de terminar de filmar Bohemian Rhapsody, indicada em cinco categorias do Oscar nesta terça. A direção, que foi concluída por Dexter Fletcher depois que Singer foi demitido, porém, não foi lembrada pela Academia de Hollywood. À época da demissão, a 20th Century Fox justificou sua decisão falando sobre a indisposição geral de Singer com os colegas e ausência injustificada nos sets de filmagem.

Pouco tempo depois da demissão, em 2017, Cesar Sanchez-Guzman anunciou o processou movido contra o cineasta por tê-lo estuprado em 2003, durante uma festa em um iate. Guzman tinha 17 anos. O processo corre na Justiça americana. Não foi o primeiro: em 2014, Michael Egan moveu uma ação alegando que o diretor o teria estuprado “diversas vezes” durante uma viagem ao Havaí. Mas retirou em seguida.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.