Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Denunciado por assédio, Kevin Spacey volta à tela em filme sobre pedofilia

Alijado de Hollywood desde 2017, ator interpretará investigador responsável pelo caso de um homem injustamente acusado de abusar de crianças

Por Amanda Capuano 24 Maio 2021, 13h02

Em 2017, Kevin Spacey virou um dos rostos da campanha #MeeToo e viu seu prestígio ser pulverizado por uma série de denúncias de assédio e abuso sexual que resultaram na sua demissão de House of Cards e sumiço de Hollywood. Mas eis que, quatro anos depois, o ator voltará às telas no próximo filme de Franco Nero, cineasta italiano. “Estou muito feliz que Kevin tenha concordado em participar do meu filme. Eu o considero um ótimo ator e mal posso esperar para começar”, contou Nero à rede americana ABC.

A volta de Spacey contém uma ironia amarga: o filme de Nero retrata o caso de um homem injustamente acusado de abusar de crianças. O ator, cuja maioria das supostas vítimas eram meninos menores de idade, será o investigador do caso. “Meu emprego, minhas relações, minha posição na indústria, tudo desapareceu em questão de horas, então eu tenho empatia por quem não pode voltar ao trabalho ou é ameaçado de demissão de uma hora para a outra”, declarou em um podcast de 2020, comparando as acusações de abuso com a crise do coronavírus.

As denúncias contra Spacey começaram a pipocar no final de 2017, depois que o ator Anthony Rapp alegou ter sido molestado por ele 1986, quando tinha apenas 14 anos. Rapp só entrou oficialmente com um processo em setembro de 2020, junto com outra vítima não identificada. Segundo o site Consequence of Sound, Spacey teria convidado Rapp para uma festa em seu apartamento, onde tocou as nádegas do então adolescente e tentou forçar-se sobre ele, que se escondeu no banheiro e fugiu minutos depois. O outro denunciante, então com 12 anos, alega que também foi levado para o apartamento e estuprado mais de uma vez pelo ator. Entre 2019 e 2020, dois processos contra Spacey foram encerrados – um por conta da morte do acusador e o outro porque o denunciante se recusou a testemunhar no caso. Unem-se aos processos oficiais uma série de acusações de abuso que teriam ocorrido entre 1995 e 2013, período em que Spacey ficou à frente do teatro The Old Vic, em Londres. Spacey nega as acusações.

Em meio às controvérsias e boicotes, o ator saiu de cena: além de ser retirado de House of Cards, drama do qual era protagonista, também foi limado do filme All the Money in the World. Na ocasião, o diretor Ridley Scott regravou todas as cenas em que Spacey aparecia, substituindo-o por Christopher Plummer, que recebeu uma indicação ao Oscar pelo trabalho. Em 2018, o filme Billionaire Boys Club, gravado antes das controvérsias,  arrecadou apenas 425 dólares no seu final de semana de estreia nos Estados Unidos. Desde então, o ator relegou-se a lançar alguns vídeos natalinos para reaparecer nas câmeras, como um feito em 2020 em que conforta pessoas que pensaram em suicídio por conta da pandemia e um outro sarcástico, lançado em 2018, que fala sobre sua exclusão de House of Cards.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)