Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Defesa abandona tese de que Jackson bebeu propofol sozinho

Advogados de Conrad Murray se inclinam agora para a tese de que o cantor ingeriu comprimidos de lorazepam na ausência de Murray

Por Da Redação 12 out 2011, 16h45

A defesa do médico Conrad Murray, julgado em Los Angeles pela morte do cantor Michael Jackson, anunciou nesta quarta-feira ter abandonado a tese de que o cantor teria bebido o anestésico propofol, que causou a sua morte em 25 de junho de 2009. Os advogados de Conrad Murray se inclinam agora para a tese de que o cantor ingeriu comprimidos de lorazepam na ausência de Murray. O sedativo foi encontrado no corpo do músico e, segundo a autópsia, contribuiu para a sua morte, sem, no entanto, ter sido a causa principal.

Murray admitiu ter dado 25mg de propofol a Jackson às 10h40 do dia de sua morte, uma vez que o cantor havia passado a noite acordado, e apesar de ter administrado uma série de doses de outros sedativos, menos potentes. Mas a teoria de que Jackson poderia ter bebido por conta própria mais propofol, um líquido de cor branca que o cantor chamava de “leite”, foi por terra com a evidência de que não foram encontrados restos de propofol em seu estômago.

Os advogados de Murray afirmaram, principalmente nas audiências preliminares, que Jackson era um dependente químico desesperado e teria provocado a própria morte ao ingerir uma dose extra fatal de propofol num momento em que Murray estava ausente. “Já não afirmamos que o propofol foi administrado por via oral”, disse nesta quarta-feira Michael Flanagan, membro da equipe de defesa de Murray, acusado de ter dado a Jackson uma dose excessiva de propofol, para ajudar o cantor a dormir.

O cardiologista Alon Steinberg, alto membro da Junta Médica da Califórnia, acusou Murray de uma série de erros no tratamento de Jackson, entre eles o de ter deixado o cantor sozinho para ir ao banheiro. “Quando se controla um paciente, você nunca pode se ausentar. É como deixar um bebê dormindo na mesa da cozinha”, comentou, no tribunal.

O julgamento acontece na Suprema Corte de Los Angeles, e deve durar cinco semanas. Se condenado, além de perder a licença para clinicar, Conrad Murray pode pegar até quatro anos de prisão.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade