Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

‘Decamerão’ inspira contos de autores internacionais sobre pandemia

Em uma afiada coletânea, escritores do mundo todo vão do humor à fantasia ao criar textos sob inspiração de um clássico inesgotável

Por Raquel Carneiro Atualizado em 10 abr 2021, 01h19 - Publicado em 9 abr 2021, 06h00

Em plena pandemia, Julia decide fazer um tratamento estético em um spa aberto de forma clandestina. Prestes a completar 40 anos e em vias de ter um ataque de nervos, a moça não resiste à tentação de burlar o confinamento. No local, recebe uma sugestão inusitada: a melhor maneira de rejuvenescer a pele seria por meio de uma técnica hipotética que consiste em apagar parte da memória — afinal, as lembranças ruins tiram o viço do rosto. Ela topa o tratamento, e o peso das más notícias se vai. Mas, ao deixar o spa alegre como nunca, Julia não entende por que as ruas estão tão vazias, nem o motivo pelo qual as pessoas usam máscara no rosto e a julgam enquanto ostenta um sorriso que nada condiz com o entorno. Da alienação da personagem, a escritora canadense Mona Awad extrai uma narrativa de ironia cortante em Um Céu Azul Desses, um dos 29 contos da coletânea O Projeto Decamerão. O livro recém-­lançado no país junta um time bamba de escritores de todo o mundo para criar tramas cômicas, espantosas, melancólicas e até sobrenaturais inspiradas nestes estranhos tempos do coronavírus. Assinam os textos desde autores renomados, como a canadense Margaret Atwood, o irlandês Colm Tóibín e o moçambicano Mia Couto, até talentos que merecem atenção, caso do italiano Paolo Giordano e do brasileiro Julián Fuks.

+ Compre o livro O projeto Decamerão: 29 histórias da pandemia

O PROJETO DECAMERÃO, de vários autores (tradução de Isabela Sampaio, Luisa Geisler, Rogerio W. Galindo e Simone Campos; Rocco; 336 páginas; 79,90 e 39,90 em e-book) -
O PROJETO DECAMERÃO, de vários autores (tradução de Isabela Sampaio, Luisa Geisler, Rogerio W. Galindo e Simone Campos; Rocco; 336 páginas; 79,90 e 39,90 em e-book) – //Divulgação

Como entrega o título, o livro toma emprestada a ideia do clássico Decamerão. A obra do italiano Giovanni Boccaccio (1313-1375) apresenta 100 novelas que servem como distração enquanto a peste negra assola Florença, em 1348. Refugiados no campo, os dez jovens narradores (sete mulheres e três homens) por vezes observam a tragédia por uma óptica satírica, e por outras abandonam a realidade da devastadora doença que assolava a cidade italiana para rir de anedotas frugais sobre a aristocracia e o clero, com ênfase nos prazeres carnais.

+ Compre o livro O Decamerão – Box

Quando a Covid-19 obrigou o mundo a mudar sua rotina, a obra do século XIV cresceu em vendas, revelando-se um consolo apropriado na luta contra a “peste” atual (recomenda-se vivamente ao leitor de hoje, aliás, apreciar Boccaccio, um autor inesgotável). A transformação da obra em best-seller motivou o jornal americano The New York Times a encomendar contos na mesma linha a diversos autores. Eles a princípio resistiram, mas acabaram seduzidos pela ideia. É nessas horas, afinal, que a literatura e o humor revelam seu poder de tocar as pessoas.

Continua após a publicidade
DIÁRIO DA PESTE - Cena do Decamerão: rir para expiar as dores da tragédia -
DIÁRIO DA PESTE - Cena do Decamerão: rir para expiar as dores da tragédia – Lady Lever Art Gallery/.

Os contos do Projeto Decamerão comprovam que a possibilidade de rir e de se ver no espelho da ficção pode ser um santo remédio para expiar as dores do mundo. O americano John Wray narra a história de um espertalhão que, em Barcelona, aluga os próprios cachorros a quem quer furar o lockdown, já que o passeio com animais é permitido pelas autoridades espanholas. Tóibín escreve sobre um homem em quarentena com o namorado, que inveja a vida feliz de um popular casal gay nas redes sociais. Em Um Gentil Ladrão, Couto apresenta um idoso pobre de um bairro remoto que recebe a visita de um agente de saúde, mas, sem entender o motivo, acha que está sendo assaltado. Num registro mais pungente, o paulistano Fuks tece uma reflexão sobre o congelamento do tempo na pandemia.

+ Compre o livro O Decamerão

Mas é Margaret Atwood, a dama distópica de O Conto da Aia, quem dialoga com Boccaccio da maneira mais criativa. Em Griselda, a Impaciente, a autora bebe de uma das novelas mais conhecidas do Decamerão — adicionando-lhe, contudo, as cores feministas tão comuns em suas tramas. O italiano narra a trajetória de Griselda, a Paciente, uma mulher que supera todas as provações impostas por seu marido, um nobre que a tirou da pobreza. Margaret inventa uma irmã ­gêmea dela, batizada de Griselda, a Impaciente, que move uma vingança contra o cunhado. Não bastasse a inversão sarcástica, a autora ainda embala a trama em um contexto surreal no qual alienígenas chegam à Terra para ajudar a humanidade — e dão voz à versão empoderada da história de Griselda. As pandemias mudam, mas os dilemas continuam iguais.

Publicado em VEJA de 14 de abril de 2021, edição nº 2733

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

O projeto Decamerão: 29 histórias da pandemia
O projeto Decamerão: 29 histórias da pandemia
O Decamerão - Box
O Decamerão – Box
O Decamerão
O Decamerão

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade