Clique e assine a partir de 9,90/mês

Críticos culpam políticos por desprezo a filme sobre Bin Laden no Oscar

Diretora de 'A Hora Mais Escura', Kathryn Bigelow foi vista como a maior injustiçada das indicações, após ser deixada de fora da categoria direção

Por Da Redação - 11 jan 2013, 13h05

A ausência de Kathryn Bigelow nas indicações ao Oscar na categoria direção surpreendeu especialistas em premiações. Para a maioria deles, a culpa de a diretora de A Hora Mais Escura ter ficado de fora é dos políticos americanos. O filme, um controverso suspense sobre a caçada a Osama Bin Laden, ganhou cinco indicações, incluindo melhor filme, mas a diretora foi cortada da disputa.

“Kathryn Bigelow foi roubada”, twittou uma das produtoras do filme, Megan Ellison, após o anúncio das indicações, na quinta-feira. A atriz Jessica Chastain, que interpreta uma agente da CIA no filme, chamou sua indicação para melhor atriz de “agridoce”. “Estou muito animada, mas também sinto o choque por Kathryn não ser nomeada”, disse a atriz ao site The Wrap.

O filme está sob ataque feroz em Washington. Em dezembro, um grupo de senadores repreendeu a distribuidora Sony Pictures em carta, chamando o filme de “grosseiramente impreciso e enganoso”, por sugerir que a tortura ajudou os Estados Unidos a capturarem Bin Laden em maio de 2011. O Comitê de Inteligência do Senado também instaurou uma investigação dentro da CIA para saber se membros da agência forneceram informações errôneas à diretora e ao roteirista Mark Boal.

Para membros da indústria, a publicidade negativa afetou as escolhas para os indicados ao Oscar. “Pode-se resumir as indicações como uma vitória para o poder de intimidação do Senado dos Estados Unidos”, escreveu o crítico Kenneth Turan, do jornal Los Angeles Times.

Continua após a publicidade

Bigelow, que ganhou o Oscar de melhor direção e melhor filme em 2010 por Guerra ao Terror, ficou em silêncio na quinta-feira. Mas Boal, que recebeu uma indicação pelo roteiro, disse incisivamente que “nenhum de nós seria tão honrado hoje sem a genialidade e talento notável de Kathryn Bigelow”. Ambos já disseram várias vezes que o filme mostra uma variedade de métodos de inteligência que foram usados para encontrar Bin Laden, e negaram ter usado material confidencial vazado.

(Com agência Reuters)

Publicidade