Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Com show no Rock in Rio, Coldplay reinventa o conceito de rock de arena

A apresentação grandiosa da banda britânica no Rock in Rio ajuda a entender porque os sete shows em São Paulo já estão esgotados

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 11 set 2022, 20h23 - Publicado em 11 set 2022, 03h38

Em meados dos anos 1960 e 1970, bandas como Pink Floyd, Kiss e Queen (só para citar alguns exemplos) ficaram tão grandes que seus shows só poderiam ser realizados em estádios. Nos anos 1980, surgiram o U2, Van Halen e Bon Jovi, que seguiram pela mesma linha e foram além ao oferecer ao público um espetáculo coletivo que transcendia a própria música, solidificando o conceito de rock de arena. Neste sábado, 10, o Coldplay demonstrou que é uma das poucas bandas da atualidade a levar adiante essa ideia ao transformar a plateia do Rock in Rio em parte integrante do espetáculo, tirando o fã do mero papel de espectador, colocando-o com protagonista do show. Nem a chuva persistente que caiu durante todo o dia (inclusive durante a apresentação) atrapalhou a animação do público.

Liderado pelo carismático vocalista Chris Martin, o Coldplay fez até o momento o show mais grandioso do festival ao distribuir 100.000 pulserinhas luminosas que brilhavam durante a apresentação conforme as músicas da turnê Music Of The Spheres eram tocadas. Vale lembrar que a banda já faz isso há anos, mas essa foi a primeira vez que o recurso foi usado no festival. O resultado foi tão impressionante que eles repetiram duas vezes as músicas Viva La Vida e Sky Full Of Stars. Na justificativa para o público, Martin disse que tinha gostado tanto do resultado que queria cantar de novo. Na transmissão ao vivo do Multishow, Marcos Mion disse que o grupo estava gravando para posterior lançamento. Faz sentido, já que um dos dez shows que a banda fará no estádio River Plate, em Buenos Aires, será transmitido ao vivo em cinemas de mais de 70 países. “Só houve um momento como o de hoje, o de Freddie Mercury em 1985. Foi incrível, foi memorável”, disse Roberto Medina, presidente do Rock in Rio.

Coldplay no Rock in Rio -
Coldplay no Rock in Rio – (Multishow/Reprodução)

O arsenal de efeitos especiais, como luzes decorativas, faixas, chuva de papel picado e um palco diferenciado deram ao show do Coldplay uma aura de evento memorável. Como resultado, quem não viu ao vivo, sente-se impelido a fazer parte disso também – ainda que as músicas do grupo britânico não sejam lá essas coisas. Não por acaso, Martin pediu ao público várias vezes que deixasse os celulares no bolso e levantassem as mãos, tudo para potencializar o efeito hipnotizante das pulserinhas se acendendo. Talvez esse sentimento explique a razão das sete apresentações lotadas que o grupo fará no Allianz Parque, em São Paulo, e das outras dez em Buenos Aires.

Show da banda Coldplay no Rock in Rio 2022
Show da banda Coldplay no Rock in Rio 2022 (//Divulgação)

Martin não precisaria fazer muito esforço para conquistar a plateia, mas o músico abusou da simpatia ao tocar um trecho de Mas Que Nada, de Jorge Ben, imortalizada no exterior por Sérgio Mendes. Ele também tocou Magic com letra em português e pediu ajuda para a plateia para cantar Parabéns a Você para o músico Jonny Buckland, que completa 45 anos nesse domingo. “Obrigado por estarem aqui na chuva conosco, tão lindos. Obrigado por enfrentarem o trânsito, a Covid, a chuva, o preço dos ingressos, as filas e todas as merdas que tiveram que superar para virem”, disse Martin. “A gente poderia estar na cama vendo Game of Thrones, e estamos tendo uma noite ótima”, completou. Ao final, o público deixou a Cidade do Rock com a alma lavada – e após a chuva torrencial, com o corpo também.

Continua após a publicidade

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.