Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Colecionador de Munique pretende devolver quadros roubados pelos nazistas

Cornelius Gurlitt diz que vai restituir as obras de arte aos seus proprietários legítimos ou aos seus herdeiros

Por Da Redação 27 mar 2014, 16h48

O colecionador de arte Cornelius Gurlitt, que escondeu por décadas cerca de 1.400 obras, muitas delas obtidas ilegalmente a partir de roubos do regime nazista, pretende devolver os quadros aos seus donos originais, segundo informações do jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

De acordo com um de seus advogados, Christoph Edel, o colecionador já deu “carta branca” para realizar a restituição das obras de arte aos seus proprietários legítimos ou aos seus herdeiros. O primeiro quadro a ser devolvido seria a Mulher Sentada, do pintor francês Henri Matisse. A tela em questão foi subtraída de Paul Rosenberg, em 1941, pouco tempo depois de os nazistas terem invadido a França durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Posteriormente, a obra pertenceu à coleção do hierarca nazista Hermann Göring, que a trocou por outra peça do marchand de arte Gustave von Rochlitz, antes da tela chegar às mãos do pai de Gurlitt, Hildebrandt, que a deixou como herança ao seu filho, assim como o restante dos quadros. Segundo Hannes Hartung, outro advogado de Gurlitt, a obra deverá ser devolvida às duas netas de Rosenberg, Marianne Rosenberg e Anne Sinclair.

Leia também:

Alemão que guardava obras roubadas por nazistas quer coleção de volta

Continua após a publicidade

Polícia alemã recupera 1.500 obras roubadas por nazistas

Alemanha publica lista com 25 quadros do ‘tesouro nazista’

No entanto, apesar da atitude de Gurlitt, ainda existem dúvidas sobre quantas das obras encontradas provêm do roubo das autoridades nazistas durante o regime de Adolf Hitler (1933-1945). As autoridades alemãs mantêm a suspeita sobre 590 quadros, um número discutido pelos assessores do colecionador, que o rebaixam para cerca de 50 telas.

Além disso, as 1.280 peças achadas no ano passado em seu apartamento em Munique, na Alemanha, se unem agora a outras 280 obras encontradas em outra propriedade de Gurlitt — em Salzburgo, na Áustria –, coleção que era desconhecida até fevereiro deste ano, quando o colecionador revelou sua existência. Entre outras telas, foram encontradas no local várias obras de artistas como Pablo Picasso, Claude Monet e Pierre-Auguste Renoir.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)