Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Caso prescreve e cantor do Backstreet Boys não será processado por estupro

Cantora Melissa Schuman acusou o músico em novembro de 2017; ele nega qualquer relação não consensual

Por Redação
Atualizado em 12 set 2018, 19h21 - Publicado em 12 set 2018, 17h22

O americano Nick Carter, integrante da boy band Backstreet Boys, não será acusado formalmente e processado por estupro. Segundo o site da revista People, a promotoria de Los Angeles informou que o caso prescreveu. No ano passado, a cantora Melissa Schuman afirmou em uma publicação em seu blog pessoal que o músico a havia estuprado no começo dos anos 2000.

“A reclamante afirma que, em 2003, ela foi vítima de abuso sexual, cometido pelo suspeito em seu apartamento. A vítima tinha 18 anos na época do abuso. O caso prescreveu em 2013. Portanto, uma análise da evidência não é garantida e o processo foi negado”, disse a promotoria em nota.

O advogado de Carter afirmou que o cantor vem negando o abuso desde que a acusação surgiu. “Ele estava confiante de que não havia base para que ele fosse processado. Ele está feliz por poder deixar esse assunto para trás”, disse Michael Holtz em comunicado.

Melissa Schuman também comentou, afirmando que, mesmo sem processo, ela não se arrepende de ter falado abertamente sobre o caso. Ela, porém, lamentou a lei de prescrição de crimes. “É uma pena que a lei não é completamente retroativa para contemplar abusos que aconteceram no passado, não importa quando”, disse.

Em novembro passado, Melissa afirmou que foi convidada por Carter para ir até a casa dele. Ela contou que eles começaram a se beijar e o cantor começou a desabotoar sua calça, ignorando os protestos dela. De acordo com a cantora, o músico então fez sexo oral nela e depois pediu que ela fizesse o mesmo nele. Na época, Carter negou a acusação, afirmando que tudo havia sido consensual.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.