Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cantora ou garota de programa? Vereador pergunta, Anitta dá lição

Otoni de Paula, do Partido Social Cristão (PSC) do Rio de Janeiro, reprovou comportamento profissional da artista com termos como "vagabunda de quinta"

Por Da redação Atualizado em 2 set 2017, 15h46 - Publicado em 2 set 2017, 15h44

O vereador Otoni de Paula (PSC-RJ) se desculpou por uma postagem em sua página oficial no Facebook em que a cantora Anitta é chamada de “vagabunda de quinta”. O político atribuiu a ofensa a um erro de sua equipe. “Esse termo foi inapropriado. Por isso peço perdão”, escreveu. Decidiu manter, contudo, o restante de um texto infeliz em que se pergunta se a artista é uma “cantora ou garota de programa”. “Anitta arrasta multidões de crianças em seus shows, é idolatrada pelos adolescentes de hoje, mas Anitta não tem nenhuma responsabilidade profissional com essa meninada que ela conquistou”, escreveu.

Ao post original, Anitta reagiu explicando ser “cantora, empresária, coreógrafa, empresária e outros negócios (que não são da indústria pornográfica)” e dar emprego a “50 famílias”. Disse também que não seria “burra” de entrar com um processo por calúnia. “Qualquer ser humano que entenda de justiça brasileira sabe que eu não sairia vitoriosa desta questão nem com macumba (aproveitando o trocadilho já que o senhor é evangélico)”, postou. “Mas aproveito a notoriedade que seu post tomou pra responder sua pergunta. ‘A que nossas crianças estão sendo submetidas?’ A uma triste falta de oportunidade e educação pra quem não tem dinheiro. Uma aprovação automática que desestimula professores a alunos a formarem pessoas educadas neste país”, escreveu. “O que tento fazer com a porta que se abriu pra mim (que foi a do entretenimento) é mostrar aos demais que nasceram na mesma situação que existe uma saída.”

Na noite de sexta-feira, outra publicação do vereador trazia um vídeo contra a violência, afirmando que toda mulher deveria ser respeitada. Anitta aproveitou para cobrar mais uma vez, com ironia. “Amore, já que toda mulher precisa ser respeitada você poderia apagar o post onde me chama de garota de programa sem nenhuma prova aparente baseado em um pré julgamento e um preconceito contra a sensualidade? Trabalho como cantora, empresária, coreógrafa e compositora. Obrigada. Boa noite.”

Otoni voltou a se desculpar, mas não apagou o post. “Anitta, meu problema não é com você e muito menos com seu direito a ser sensual. Meu problema é com as milhares de crianças que você com seu carisma, dado pelo Criador, tem feito por todo país. Talvez por você não ser mãe ainda, não perceba o quanto suas músicas e dança tem contribuído para a erotização de crianças e adolescentes por todo país.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês