Clique e assine com até 92% de desconto

Campanha de cancelamentos em repúdio a ‘Lindinhas’ não prejudicou Netflix

Empresa teve um pico de perdas de assinaturas na semana de estreia do longa Francês, mas já retomou a normalidade sem perdas significativas

Por Amanda Capuano Atualizado em 25 set 2020, 13h02 - Publicado em 25 set 2020, 11h27

A indignação das redes sociais com o filme Lindinhas, disponível na Netflix desde 10 de setembro, não foi muito além do ambiente virtual. Segundo dados da empresa 7Park Data, o número de cancelamentos de assinaturas do streaming cresceu temporariamente após as acusações de sexualização infantil enfrentadas pelo longa francês, mas voltaram à estabilidade em uma semana, sem prejuízo significativo para a empresa.

Nos dias seguintes à controvérsia, a campanha “Cancelem a Netflix” ganhou força no Twitter  e uma petição online contra a produção ultrapassou 650.000 assinaturas.  Em meio ao fervor das redes, os cancelamentos atingiram o maior número desde o início do ano, com um pico cerca de 5 vezes acima da média.

  • A pesquisa ainda indicou que os cancelamentos concentraram-se no centro e no sul dos Estados Unidos, especialmente nos Estados de Idaho, Wyoming, Utah, Nebraska, Oklahoma, Tennessee e Carolina do Sul – áreas historicamente tidas como mais conservadoras. O Alaska e o Main também destacaram-se pelo número elevado de cancelamentos.

    O filme

    Antes mesmo de ser lançado na Netflix, o filme Lindinhas (Mignonnes no original, em francês) se viu em um fogo cruzado de acusações relacionadas ao trailer e fotos de divulgação que traziam imagens de garotas entre 11 e 12 anos com roupas curtas e poses sugestivas. Na trama, uma garota de origem senegalesa e muçulmana, de 11 anos de idade, se rebela contra as tradições e proibições de sua família e entra para um grupo de dança de adolescentes, no qual a sexualização precoce é parte da realidade social.

    Apesar da boa estreia no Festival de Sundance, o longa foi acusado de sexualizar crianças. Na semana passada, com o filme já disponível na Netflix, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, entrou na história afirmando nas redes sociais que “não ficará de braços cruzados”, prometendo uma cruzada contra o longa.

    No mesmo dia, no Festival de Toronto, a diretora de Lindinhas, a franco-senegalesa Maïmouna Doucoure, defendeu a produção, dizendo que ela “luta a mesma luta” dos críticos. “Eu vi tantas situações e problemas ao meu redor quando era criança, que decidi fazer esse filme como um alerta, para dizer: temos que proteger nossas crianças”, disse ela em coletiva de imprensa no evento.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade