Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ben Affleck fala sobre assédio: ‘precisamos nos responsabilizar’

Ator trabalhou com produtor Harvey Weinstein, pivô de escândalos, e também se desculpou por seu próprio comportamento

Por Da redação 17 nov 2017, 20h00

Em plena campanha de lançamento do filme Liga da Justiça, Ben Affleck foi obrigado a falar sobre as recentes denúncias de assédio e abuso sexual envolvendo figurões de Hollywood — além de uma acusação contra o próprio. Convidado do The Late Show, ele foi questionado pelo apresentador Stephen Colbert sobre sua ligação com o produtor Harvey Weinstein, e o caso da atriz e repórter da MTV, que acusou o astro de apalpá-la diante das câmeras.

O primeiro grande sucesso de Affleck, como ator e roteirista, foi Gênio Indomável (1997), produzido por Weinstein. Outras produções do início de sua carreira , como Procura-se Amy (1997) e Shakespeare Apaixonado (1998), também tiveram o dedo do produtor, hoje afastado da indústria por causa dos escândalos. “A experiência de participar desses filmes está manchada quando você se dá conta de que, enquanto filmava e vivia essas experiências, alguém estava sofrendo e experienciando coisas horríveis”, lamentou. Ele também contou que, após saber da verdade, fez questão de doar os lucros de seus primeiro filmes a instituições que lutam contra a violência sexual.

Sobre seu comportamento durante a entrevista para a MTV, em 2001, quando tocou os seios da repórter ao abraçá-la, Affleck assumiu que foi inapropriado e se desculpou. “Como homens, precisamos nos tornar mais conscientes do nosso comportamento e nos responsabilizar e dizer: se eu sou parte do problema, quero mudar e fazer parte da solução. O mais importante a fazer é dar apoio a essas vozes que estão se levantando, acreditar nelas, e criar uma indústria na qual mais mulheres são empoderadas e em que menos coisas assim possam acontecer, e assim haverá uma maneira de denunciar isso e as pessoas se sentirão seguras”.

O astro ainda disse que o momento é perfeito para mudanças. “Eu achava que sabia como as coisas funcionavam, mas a verdade é que eu não sabia”, desabafou. “Não entendia como era ser apalpado, assediado, interrompido, mal pago, colocado à parte, todas as coisas pelas quais as mulheres convivem e que eu, como homem, tenho o privilégio de não ter que lidar”.

Veja o vídeo completo da entrevista, em inglês.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)