Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

‘BBB16’ tem encontro de gerações, mulheres poderosas e prova do líder na estreia

Reality começou com apresentação dividida conforme a faixa etária dos participantes e uma prova de resistência que vai decidir o primeiro líder da casa

Por Heloísa Noronha 19 jan 2016, 23h29

Ao som de Boys Don’t Cry, do The Cure, imagens de momentos históricos no Brasil e no mundo abriram a 16a edição do Big Brother Brasil. A justificativa foi mostrar as referências culturais, comportamentais e até políticas que serviram de pano de fundo às experiências de vida das gerações representadas pelos participantes do programa: a geração que “se joga” (faixa etária dos 20 anos), a que “se vira” (os “trintões”), a que “se garante” (40’s) e a que “se ama” (50-60 anos). A proposta dessa versão do reality show é, segundo o apresentador Pedro Bial, não promover um confronto, mas sim um encontro de gerações.

Leia também:

‘BBB16’ tenta recuperar audiência com elenco de ‘gente comum’

‘BBB16’ começa nesta terça. Relembre os maiores podres da edição anterior

Antes da estreia, participantes do ‘BBB16’ já soltam pérolas

Continua após a publicidade

Relembre os casais do ‘BBB’ que sobreviveram ao fim do reality

Essa ideia moldou, inclusive, a apresentação dos competidores. Em vez de abrirem a porta da casa escandalosamente como de praxe, com direito a muitos gritinhos histéricos de “U-hu!”, beijos no gramado e mergulhos comemorativos na piscina, os doze candidatos ao prêmio de 1,5 milhão de reais surgiram escondidos em dois contêineres. Foi uma boa sacada, já que o público pôde acompanhar a surpresa de todos ao verem uns aos outros pela primeira vez, ao mesmo tempo.

Vídeos engraçadinhos, fotos de família e frases de efeito pontuaram a apresentação dos brothers ao público. E, como diria Anitta, prepara que agora é hora do show das poderosas. À primeira vista, tudo leva a crer que a ala feminina vai dominar a cena nessa edição. Empoderadérrimas, cheias de si, esbanjando autoestima, batendo cabelo (a participante Ana Paula que o diga!) e muito “amostradas” (Maria Cláudia já começou com uma pérola), as mulheres prometem cenas memoráveis. Não é à toa que o hit feminista Survivor, famoso com o grupo Destiny’s Child e recentemente regravado por Clarice Falcão, foi a trilha sonora da trajetória de Adélia. Vale dizer que até a doce Munik, com seu charmoso sotaque interiorano, já sinalizou que costuma acordar nervosa. Pelo jeito, não vai faltar assunto para os devaneios filosóficos de Ronan e Alan.

A música deu literalmente o tom à primeira prova do líder, que já acontece nesta terça: uma maratona de dança disputada por quatro grupos, cada um com participantes de faixas etárias distintas. A liderança ficará com a equipe que aguentar até o fim, ou melhor, desistir por último. As mulheres, obviamente, eram as mais entusiasmadas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)