Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Quatro retornos do rock que o dinheiro ainda não conseguiu comprar

Bandas que não se renderam aos apelos dos fãs (e da conta bancária) para voltar à ativa

Por Da Redação Atualizado em 7 fev 2020, 10h01 - Publicado em 7 fev 2020, 06h00

– Oasis
O vocalista Liam Gallagher anunciou pelo Twitter que a banda inglesa recebera proposta de 100 milhões de libras esterlinas (550 milhões de reais) para retornar aos palcos. A ideia, no entanto, teria sido detonada por seu irmão, o guitarrista Noel Gallagher. O Oasis acabou em 2009 — e a troca de farpas entre os dois impediu sua volta até hoje. Depois que Liam reclamou da ganância do mano nas redes, Noel contra-atacou dizendo que não sabia de proposta nenhuma.

– Led Zeppelin
Desde a morte do baterista John Bonham por overdose alcoólica, em 1980, os remanescentes da banda se reuniram só em efêmeras ocasiões, como no Live Aid (1985). O mais refratário à ideia de um retorno é o vocalista Robert Plant — questionado pela enésima vez sobre o assunto, ele já mandou um repórter se vestir “para a morte”. Em 2014, Plant teria refutado 800 milhões de dólares por uma turnê do Led. O guitarrista Jimmy Page e o baixista John Paul Jones já tinham topado.

– Crosby, Stills, Nash & Young
As tentativas recentes de unir a célebre banda de rock dos anos 60 e 70 viraram um imbróglio que não acaba mais. O primeiro a querer distância dos colegas foi Neil Young. Quando ele declarou que não tinha mais “nada a ver” com os outros integrantes, David Crosby alfinetou: “Todos sabemos disso”. A volta miou de vez em 2016, quando Crosby rompeu também com Graham Nash e Stephen Stills.

– Pink Floyd
Após a separação, nos anos 80, o grupo seguiu trajetória errática sob o comando do vocalista e guitarrista David Gilmour. À exceção de sua participação no Live Aid, porém, o Floyd nunca mais contou com um membro essencial, o baixista Roger Waters. Recentemente, Gilmour reacendeu as esperanças dos fãs ao dizer que a porta para uma volta ao lado de Roger estava aberta. Mas até agora isso não aconteceu.

Publicado em VEJA de 12 de fevereiro de 2020, edição nº 2673

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês