Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ator de ‘Capitão Phillips’ teve que vender celulares para sobreviver após filmagem

Somaliano Barkhad Abdi recebeu um cachê de US$ 65.000 há dois anos e se viu obrigado a trabalhar em uma loja na cidade de Minneapolis, Estados Unidos, ao lado do irmão

Por Da Redação
4 mar 2014, 20h11

O somaliano Barkhad Abdi, que fez sua estreia como ator no filme Capitão Phillips, não colheu os frutos do luxuoso mundo de Hollywood. Mesmo com sua indicação ao prêmio de melhor ator coadjuvante no Oscar deste ano, Abdi teve de trabalhar como vendedor de celular em uma loja na cidade de Minneapolis, nos Estados Unidos, para sobreviver após o término das filmagens do longa, de acordo com informações da revista The New Yorker.

Barkhad Abdi, que antes de se tornar ator trabalhava em uma companhia de limusine dirigida pelo irmão, também em Minneapolis, teria recebido um cachê de apenas 65.000 dólares pelo papel que interpretou há dois anos e logo se viu obrigado a retornar à cidade para manter a estabilidade financeira. Mesmo assim, ele acabou pedindo demissão no dia da pré-estreia de Capitão Phillips, em setembro de 2013 nos Estados Unidos.

Leia também:

Tom Hanks e outras estrelas esnobadas pelo Oscar

Continua após a publicidade

Participação no Oscar revoluciona negócio de pizzaria

“Eu pensei: ‘Quando o filme estrear, as críticas poderão ser boas ou ruins. De qualquer maneira, não posso mais trabalhar aqui'”, contou Abdi à publicação. Após ficar desempregado, o somaliano passou a sobreviver às custas da divulgação do longa em Los Angeles. Com ajuda da Sony, distribuidora e produtora de Capitão Phillips, o ator conseguiu um quarto em um hotel na cidade californiana, além de contar com o auxílio de um carro para leva-lo aos eventos de divulgação e roupas para vestir nas premiações.

Nos próximos anos, segundo a revista The Hollywood Reporter, a vida de Abdi no cinema deve se tornar mais estável. O ator fará o papel do maratonista sul-africano Willie Mtolo, que competiu a Maratona de Nova York em 1992, em The Place That Hits The Sun (ou, O Lugar que Atinge o Sol, em tradução livre). O longa, no entanto, ainda não tem previsão de estreia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.