Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Artigo: “Elza Soares cantava sobre um país cuja voz não é ouvida”

O autor e roteirista Stefano Volp escreve para VEJA sobre o legado da cantora que morreu ontem, aos 91 anos, para a afirmação negra e feminina

Por Stefano Volp Atualizado em 21 jan 2022, 10h45 - Publicado em 21 jan 2022, 09h42

A mulher do fim do mundo cantou até o fim. O rasgado de sua voz única afrontava a tristeza, sacudia as estruturas de um país díspar, gritava por socorro e, ao mesmo tempo, convocava os seus para a guerra. Poucos contribuíram para a cultura brasileira, sobretudo a negra, da forma como ela contribuiu. Onde quer que esteja, que escute um “salve” dos seus.

Viver por mais de 90 anos não é uma estimativa comum entre a comunidade negra no Brasil. Tampouco eternizar-se na história da música diante de tantas consternações. Elza Soares marcou por onde passou. O bom humor, o riso forte, uma disposição visceral para o trabalho e a vontade de continuar vivendo sem parar de tecer seu legado.

Para além de deixar marcas, ela também as carregava. “Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim / Cadê meu celular? / Eu vou ligar pro 180 / Vou entregar teu nome / Aqui você não entra mais” é uma das canções de disco que não apenas fala dela, mas também representa seu renascimento, como muitas vezes ela o fez. Ao colocar na boca de muitos que “Deus é uma mulher preta”, ela provava que sabia como zombar das adversidades da vida com os dois pés no chão e o microfone a centímetros da boca.

A força de sua poesia residia num lugar que a elite é incapaz de acessar. Um espaço conhecido pela gente preta, construído por lembranças difíceis, erguido pela força da superação, cimentado e calcado pelo talento, como muitos de nós temos e somos e vamos. A mulher capaz de se regenerar, ardente e deslumbrante feito uma fênix, falava de si mesma, cantava sua vida e, assim, cantava sobre a parte do país cuja voz não é ouvida.

Elza foi uma mulher de esperança, de resistência. Sua capacidade intelectual não morava na academia. Revolucionária antes de todas as pautas do hoje, ela desenvolvia sua leitura da realidade, posicionando-se contra o racismo, as desigualdades sociais, a violência contra a mulher, o preconceito contra as minorias marginalizadas. Guardava no timbre uma ponta de lança capaz de afrontar quem se opusesse ao seu caminho. Sambava sorrindo, mas também sabia fazer samba pra chorar, nutrir e fazer pensar. Pelo legado de força, resistência e muita alegria deixado a cada de um de nós, mulher do fim do mundo não sucumbiu. A mulher do fim do mundo cantou até o fim.

Stefano Volp é roteirista, tradutor, escritor e jornalista, fundador da editora Escureceu e autor, entre outros, de Homens Pretos (Não) Choram

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês