Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Após música antilockdown, Eric Clapton faz perigosa crítica contra vacina

Músico relatou reações depois de receber imunizante da AstraZeneca e voltou a declarar seu apoio ao não-distanciamento social

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 17 Maio 2021, 13h43 - Publicado em 17 Maio 2021, 11h45

O guitarrista Eric Clapton provou mais uma vez que talento e noção não andam necessariamente juntos. Em uma carta enviada a um ativista antilockdown, Clapton reclamou que a vacina contra o coronavírus causou efeitos colaterais “desastrosos”. Segundo o músico, após a primeira dose da vacina da AstraZeneca, ele teria tido reações que duraram dez dias. Após a segunda dose, segundo ele, suas mãos e pés ficaram congelados, dormentes ou queimando. “Eles ficaram praticamente inúteis por duas semanas. Eu temi nunca mais tocar”, escreveu ele, que tem 76 anos.  A autenticidade da carta, enviada a Robin Monotti Graziadei, foi confirmado pela revista Rolling Stone americana e divulgada pelo próprio ativista com autorização de Clapton.

Segundo especialistas, no entanto, a vacina é segura e os efeitos relatados pelo guitarrista são extremamente raros. Vale lembrar que em dezembro de 2020, Clapton gravou a música Stand and Deliver, em parceria com Van Morrison. Na letra ele reclamava das medidas de lockdown e distanciamento social, com versos como: “Você quer ser um homem livre ou um escravo?” Na carta, Clapton reclama das críticas que recebeu ao gravar a música de Morrison. “Gravei Stand and Deliver em 2020 e fui imediatamente tratado com desprezo”. Na ocasião, ele recebeu críticas por seu posicionamento polêmico e perigoso, e as pessoas relembraram as declarações de cunho racista de Clapton nos anos 1970.

A carta escrita pelo guitarrista vai além. Ele chama de “heróis” políticos antilockdon do Reino Unido, como Desmond Swayne, além de citar canais do YouTube com teorias conspiratórias. “Eu continuo a trilhar o caminho da rebelião passiva e tento seguir a linha para ser capaz de amar ativamente a minha família, mas é difícil me calar com o que sei agora”, escreveu.

Clapton afirmou ainda que ele está apenas tentando “salvar a música ao vivo”. Aparentemente, o artista não percebeu que foi somente após uma ampla campanha de vacinação no Reino Unido, aliada às medidas de distanciamento social, que o país finalmente está retornando à normalidade, com shows ao vivo, como o que aconteceu recentemente em Liverpool para 5.000 pessoas, todas vacinadas e testadas, sem máscaras e sem distanciamento.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)