Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Após caso de cães, Johnny Depp e ministro australiano trocam farpas

Ator teve problemas ao entrar com seus dois animais de estimação no país sem obedecer às leis locais de quarentena

Por Da Redação 25 Maio 2016, 17h49

O ministro australiano Barnaby Joyce ironizou nesta quarta-feira do astro Johnny Depp, com quem tem trocado farpas desde que ele e a esposa, Amber Heard, entraram com dois cães de estimação na Austrália sem cumprir o rígido protocolo determinado pela vigilância sanitária do país. “Estou me tornando o Hannibal Lecter de Johnny Depp, estou dentro de sua cabeça. Muito tempo depois de tê-lo esquecido, ele sempre se lembra de mim. Continue fazendo propaganda de mim, Johnny. Os australianos sabem que fizemos a coisa certa”, disse o ministro à jornalistas em Tamworth, no sul da Austrália.

LEIA TAMBÉM:

Em vídeo bizarro, Johnny Depp pede desculpa à Austrália

Johnny Depp teria gasto US$ 400.000 para salvar os cachorros

Continua após a publicidade

Johnny Depp deixa a Austrália para salvar seus cães

Austrália ameaça sacrificar cães de Johnny Depp

O comentário do ministro foi uma resposta à fala de Johnny Depp durante um programa de entrevistas nos Estados Unidos, onde afirmou que Joyce “parecia ser o resultado de um cruzamento com um tomate”. “Não é uma crítica, eu só estava preocupado… ele pode explodir”, acrescentou o ator.

Depp e sua esposa levaram seus dois cães, Pistol e Boo, à Austrália em 2015. Na época, Joyce, ministro da Agricultura, ameaçou sacrificar os animais se eles não foram tirados de lá. A Austrália tem uma lei bastante rígida para evitar a propagação de doenças. Os gatos e cachorros, por exemplo, devem ser submetidos a dez dias de quarentena antes de circularem pelo país. A presença dos animais de estimação de Depp foi revelada quando foram levados a um petshop, muito depois de sua chegada ao local. Após as ameaças das autoridades, os atores deixaram o país. Em abril deste ano, o casal ainda divulgou um vídeo bizarro pedindo desculpas à Austrália.

(Da redação com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade