Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ancine mantém cota nacional e estabelece sanção ao limite

Complexos de cinema que não limitarem megalançamentos terão que dar mais espaço a filmes brasileiros

Por Da Redação
6 jan 2015, 10h15

Assinado no dia 30 dezembro de 2014, pela presidente Dilma Rousseff, o decreto que estabelece a Cota de Tela para 2015 foi revelado pelo site oficial da Agência Nacional do Cinema (Ancine) nesta segunda-feira e mostra que o número mínimo para a exibição de obras nacionais se manterá igual ao de 2014. A diferença deste ano é que a Cota será usada como sanção caso algum complexo de salas de cinema descumpra o acordo assinado também em dezembro do ano passado no qual exibidores e distribuidores aceitaram estabelecer um limite no número de salas destinadas ao mesmo filme.

Como em 2014, os estabelecimentos com uma sala deverão destinar 28 dias da sua programação à produção nacional, sendo que, pelo menos, seja exibido um mínimo de três títulos diferentes. As quantidades crescem proporcionalmente tal qual o porte do complexo e a quantidade de telas existente em cada um deles. Em um estabelecimento com três salas, o número sobe para 126 dias e uma variedade mínima de cinco filmes diferentes.

O decreto, válido a partir da data de publicação, deixa claro que a Cota aumentará caso o compromisso de autorregular os atualmente chamados de megalançamentos, como foi o caso de Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1, filme estrelado por Jennifer Lawrence que estreou em mais de 1 400 salas brasileiras em dezembro, cerca de 50% do total existente no Brasil (2 800 salas). Cada dia no qual o exibidor descumpra o acordo será trocado por um dia de produção nacional.

Leia também:

Ancine anuncia pacote de R$ 20 mi para cinema autoral

Continua após a publicidade

Anunciado em 18 de dezembro de 2014, o termo de compromisso assinado por agentes econômicos do mercado cinematográfico brasileiro (entre eles 23 empresas exibidoras e 6 distribuidoras) cria um limite de 30%, em média, para a quantidade de telas ocupadas por um filme no mesmo complexo.

Para chegar-se ao acordo, foram realizadas oito reuniões entre julho e o dia 10 de dezembro, de uma câmara técnica, formada por profissionais da indústria cinematográfica brasileira e supervisionada pela Ancine. “A Ancine pautou um problema, ofereceu um ambiente para o debate e os agentes construíram um autolimite”, disse Manoel Rangel, na ocasião.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.