Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Amigos e familiares se despedem de Clô Orozco

Estilista foi encontrada morta na quinta-feira em frente ao prédio onde morava, em São Paulo; caso foi registrado pela polícia como suicídio

Por Letícia Cislinschi 29 mar 2013, 15h34

Mais de cem amigos e familiares foram ao velório da estilista Clô Orozco, realizado na Fábrica da Huis Clos, na Barra Funda, nesta sexta-feira. O caixão estava totalmente lacrado e o local decorado com as várias coroas de flores enviadas por amigos, empresas e pela Associação Brasileira de Estilistas. Na entrada, um painel mostrava fotos de Clô em diversos momentos da vida e uma carta que a estilista escreveu para o pai em Abril de 1959, dizendo que era uma “ótima aluna e que obteve nota 100 em Geografia”.

Entre os presentes estavam os estilistas Reinaldo Lourenço, Glória Coelho, Keka Torello e a atriz e amiga da família, Mila Moreira. Todos disseram estar muito abalados e preferiram não dar entrevista.

Leia também:

Clô Orozco, da sociologia às passarelas

O corpo da estilista foi acompanhado por um cortejo até o Cemitério Ara��á, em Cerqueira César, Zona Oeste de São Paulo. No fim do sepultamento, um amigo da família fez um breve discurso ressaltando a importância da arte e dos cinco sentidos na vida de Clô. Ele dizia que a estilista precisava descansar e que o Brasil agradece o que ela deixou. O pronunciamento terminou com palmas e uma oração.

A estilista foi encontrada morta nesta quinta-feira, em frente ao prédio onde morava, em Higienópolis, região central de São Paulo. No boletim de ocorrência da Polícia Militar o caso foi registrado como suicídio. De acordo com pessoas que acompanham as investigações, vizinhos da estilista afirmaram que Clô havia tentado se matar outras duas vezes no ano passado. Ela estaria fazendo um tratamento contra a depressão e, por isso, vivia em companhia de uma irmã, que veio a São Paulo exclusivamente para cuidar da estilista.

Continua após a publicidade
Publicidade