Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

‘Alfredísis’, o casal mais insípido de ‘Império’

Casal não tem assunto. É só 'suíti-chai' para lá e para cá o tempo todo

Por Da Redação 20 nov 2014, 10h01

Parecia piada a cena de Império, exibida na última segunda-feira, em que Maria Ísis (Marina Ruy Barbosa) explica aos pais, os vigaristas Magnólia (Zezé Polessa) e Severo (Tato Gabus Mendes), que desconhecia a existência do diamante rosa de seu amante, o Comendador José Alfredo (Alexandre Nero), porque os dois “não falam de trabalho”. Do que falam, afinal, Alfredo e Ísis, apelidados por fãs nas redes sociais pela infame alcunha de Alfredísis?

Leia também:

Ex-namorados, Marina Ruy Barbosa e Klebber Toledo gravam juntos

Atuação de Paulo Vilhena em ‘Império’ é coisa de louco

‘Império’: a melhor novela das nove desde ‘Avenida Brasil’

Pois, contrariando o que recomendam dez entre dez psicólogos, Alfredísis abre — ou abrem? — mão por completo do diálogo. Por completo. A conversa dos pombinhos, quando não se dirige com virulência aos picaretas de plantão Magnólia e Severo, se resume a uma repetitiva troca de afagos. É “suíti-chai” para lá e para cá, além, é claro de ronronadas entre os lençóis. Impossível saber o que um homem esperto e vivido como o Comendador viu em uma menina tão sem conteúdo. Sexo não responde satisfatoriamente à questão. Todo mundo sabe que um casal que quer casar, como esse diz querer, precisa de um teste do sofá mais aprimorado: precisa de alguns minutinhos de conversa lado a lado.

A absoluta ausência de diálogo, no entanto, parece ser entendida por fãs como o idioma natural do amor. Haja amor. Pois não faltam admiradores. O casal, batizado de Alfredísis graças à moda de shipar (ou fundir) os nomes das duas partes para criar algo como uma instituição única, já ganhou até vídeoclipe na internet. Naturalmente, sem uma palavra sequer. Confira:

Continua após a publicidade
Publicidade