Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Alemanha cede e vai devolver artefatos da Nigéria saqueados por britânicos

Repatriação dos Bronzes de Benin reforça debate sobre as riquezas culturais que os colonizadores europeus tomaram de colonizados no passado

Por Raquel Carneiro 30 abr 2021, 12h19

A Alemanha será o primeiro país a devolver à Nigéria os famosos Bronzes de Benin que estão no país. O anúncio foi feito pela ministra de cultura Monika Grütters, garantindo que uma parte substancial dos artefatos exibidos nos museus alemães voltarão ao país de origem a partir do ano que vem.

Saqueados em uma expedição militar britânica, no século XIX, os Bronzes de Benin são compostos por mais de 1 000 artefatos de palácios do antigo reino africano de Benin, situado no que hoje é a Nigéria. Eles foram comercializados entre diferentes países europeus e da América do Norte, e estão concentrados especialmente no Museu Britânico. Há tempos, a Nigéria negocia a devolução dos itens, sem muito sucesso.

  • A decisão reabre o ruidoso debate, banhado por ressentimentos, sobre a quem pertencem as riquezas culturais tomadas por colonizadores europeus. Egito, Grécia e países pré-colombianos também engrossam o coro dos que querem de volta artigos inestimáveis retirados de seus territórios em conflitos do passado ou até em expedições arqueológicas terminadas em disputas.

    “Encaramos uma responsabilidade moral e histórica de lidar com o passado da Alemanha. Os Bronzes de Benin são um exemplo desse processo”, disse Monika após uma reunião entre peritos da área, segundo o jornal The Guardian. A Alemanha ficou de apresentar um plano de logística para a restituição de artefatos até o fim de junho, listando os primeiros objetos que serão devolvidos a partir de 2022.

    Continua após a publicidade
    Publicidade