Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Álcool e assédio moral: ‘Chiquinha’ promete lado B de ‘Chaves’ em livro

Com título provisório de 'O Outro Chaves', livro da atriz María Antonieta de las Nieves irá revelar controvérsias e segredos íntimos de Roberto Bolaños

Por Da Redação 19 dez 2014, 15h37
A atriz Maria Antonieta de Las Nieves, que interpreta a personagem Chiquinha no seriado “Chaves”, durante coletiva de imprensa VEJA

A atriz mexicana María Antonieta de las Nieves, conhecida como a Chiquinha do seriado Chaves, promete publicar um livro de dar o que falar – e não entre os moradores da vila. De acordo com o jornal mexicano El Universal, a atriz está trabalhando há dois anos em um volume com segredos íntimos e fatos pouco conhecidos, além de outros bastante controversos, sobre Roberto Gomes Bolaños, o Chaves, morto no final de novembro aos 85 anos.

O livro, que tem título provisório de El Otro Chavo (O Outro Chaves, em tradução livre), vai discorrer sobre os problemas de Bolaños com álcool e sobre os maus tratos inflingidos por ele contra os atores da série. A obra ainda deve abordar os desentendimentos de María Antonieta com Florinda Meza, a intérprete da Dona Florinda, o namoro da colega com o produtor do programa, Enrique Segoviano, e a relação amorosa que Florinda iniciou com Bolaños quando ele ainda era casado com Graciela Fernández. O livro ainda não tem data de lançamento, mas deve chegar às pratelerias em 2015.

Leia também:

‘Dona Florinda’ quer filme sobre casamento com ‘Chaves’

Relembre os melhores momentos de Roberto Bolaños em ‘Chaves’

Em homenagem, Quico lamenta a distância de Chaves

Esta não será a primeira vez que María Antonieta vai criar intrigas entre os atores de Chaves. Em entrevista a uma TV peruana no início de dezembro, a atriz causou controvérsia ao contar que Florinda Meza também foi amante de Carlos Villagrán, o Quico – era sabido que ela havia namorado o ator antes de Bolaños, mas não que esse relacionamento havia começado quando ele ainda era casado.

‘Que Bonita Sua Roupa’

Quem é fã do seriado sabe pelo menos cantar o refrão de Que Bonita sua Roupa, número musical exibido no episódio Uma Aula de Canto de Chaves, que é dedicado especialmente ao garoto maltrapilho que mora em um barril. “Que bonita a sua roupa / Que roupinha mucho louca / Nela é tudo remendado / Não vale nenhum centavo / Mas agrada a quem olhar”, diz a canção. 

O cão arrependido

Uma das cenas clássicas do seriado é o poema recitado por Chaves no chamado Festival da Boa Vizinhança, realizado na Vila, que deixaria Drummond e Camões com inveja. “Volta o cão arrependido / Com suas orelhas tão fartas / Com seu osso roído / E com o rabo entre as patas”, diz o personagem duas vezes. Ao ser interrompido por Seu Madruga, ele conta que os versos são repetidos outras 44 vezes.

O filme do Pelé

“Teria sido melhor ir ver o Pelé”, diz Chaves no episódio Vamos ao Cinema. O garoto acompanha os outros personagens da Vila ao cinema para assistir a um filme sugerido por eles, mas não fica nem um pouco satisfeito com a escolha e repete inúmeras vezes a frase, irritando todos ao redor. O que poucos sabem é que na versão original, do México, Chaves diz: “Teria sido melhor ir ver o filme do Chanfle”, referindo-se ao protagonista de dois filmes dirigidos por Bolaños. Mas o bordão adaptado pegou entre os brasileiros.

Já chegou o disco voador

Continua após a publicidade

Em outro episódio, Seu Madruga combina com Chaves para que o garoto o avise caso Seu Barriga apareça na Vila para cobrar seu aluguel atrasado, dizendo o código enigmático “Já chegou o disco voador”. O problema é que, ao mesmo tempo, Quico está à procura de seu disco voador de brinquedo e grita para a mãe, ”Já se foi o disco voador”, o que causa um nó na cabeça de Seu Madruga, que não sabe se se esconde ou se retoma a sua rotina dentro de casa.

Vendedor de churros

Entre os empregos que Chaves arrumou para conseguir alguns trocados, ou apenas um sanduíche de presunto, estava o de ajudante de vendedor de churros na banca armada por Seu Madruga. Como truque de marketing, ele entoa com uma voz aguda:  “Aqui estão os churros, olha os churros”. Mas a estratégia não funciona e ele acaba vendendo para si mesmo, imitando alguns personagens da Vila.

‘Los Supergenios de la Mesa Cuadrada’

O programa de 1968 reunia os atores Rubén Aguirre (Professor Girafales), Roberto Bolaños (Doutor Chapatín), Ramón Valdés (Ingeniebrio Ramón Valdés) e María Antonieta de las Nieves (como ela mesma e apresentadora). Em tom bem-humorado, os personagens comentavam notícias do momento, intercaladas por esquetes divertidos. 

‘Chespirito – El Ciudadano Gomez’

El Ciudadano Gomez (1968) foi umas das histórias criadas por Roberto Bolaños para o programa Chespirito, em que apresentaria diversos personagens — entre eles o que dava título à atração. Foi também em Chespirito que nasceram os roteiros de Chapolin e Chaves. No episódio acima, Maria Antonieta interpreta uma vidente vigarista, que finge ver o futuro em sua bola de cristal. 

‘Chapolin’

A história do herói atrapalhado e medroso nasceu em 1970, um ano antes de Chaves e sua vila. Vivido por Roberto Bolaños, Chapolin aparece sempre que alguém está em apuros e tenta resolver a situação. O mesmo grupo de atores que trabalhava em Chespirito se reveza entre diferentes papéis nas histórias que mantêm apenas o quase-herói (e quase anti-herói) como elo principal. Uma das histórias mais famosas é aquela em que Maria Antonieta de Las Nieves interpreta a Bruxa Baratuxa, que tenta fazer com que a “camponesa de coração nobre” se case com seu filho. 

‘Aquí Está la Chilindrina’

Em 1994, a personagem Chiquinha protagonizou a série Aquí Está la Chilindrina, que contava com números musicais. A história da personagem, no entanto, é diferente da que ficou conhecida em Chaves. Chiquinha era uma garota abandonada pelos pais que foi viver em um convento e enlouqueceu o padre e as freiras do local. Dirigido por Rubén Aguirre, o Professor Girafales, o programa foi o último apoiado por Bolaños, que queria seu nome nos créditos como criador intelectual da personagem e começou, então, a brigar com Maria Antonieta de Las Nieves. 

‘Kiko e sua Turma’

O ator Carlos Villagrán, intérprete de Kiko, protagonizou o seriado ¡Ah qué Kiko! (1988), traduzido como Kiko e sua Turma pela Rede Bandeirantes, que o transmitiu no Brasil. O programa também tinha o ator Ramón Valdés, o Seu Madruga, que assim como Villagrán se desentendeu com Bolaños e deixou o elenco de Chaves. Na história, Kiko é um garoto que trabalha na venda Surpresa, de Seu Madruga. Entre Chaves e Kiko e sua Turma, Villagrán protagonizou também as séries Kiko Botones (1981), Frederrrico (1982) e Las Nuevas Aventuras de Fredericco (1983). 

Continua após a publicidade
Publicidade