Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Advogados de médico vão alegar que Michael Jackson se matou

Por Da Redação 3 jan 2011, 22h39

Os advogados do médico de Michael Jackson vão argumentar que o rei do pop cometeu suicídio, confirmaram nesta segunda-feira fontes judiciais, antes do início das audiências preliminares do julgamento, em Los Angeles.

O médico Conrad Murray foi acusado em fevereiro passado de homicídio culposo de Michael Jackson, morto em 25 de junho de 2009, aos 50 anos, após receber um forte sedativo em sua mansão de Beverly Hills.

Murray já havia administrado um coquetel de remédios para combater a insônia de Jackson. Os advogados vão alegar que o astro acordou e aplicou, por contra própria, mais um sedativo, no caso o propofol.

“Está claro que a defesa trabalha com a teoria do suicídio de Michael Jackson”, disse o promotor David Walgren em uma audiência preliminar na semana passada.

“Eles não admitem isto, mas vão nesta direção”, garantiu Walgren.

Na audiência preliminar convocada para esta terça-feira, o juiz da Corte Superior de Los Angeles Michael Pastor decidirá se as evidências são suficientes para julgar Murray.

(Com Agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade