Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

A tática para manter em evidência artistas mortos e bandas desaparecidas

Na era do streaming e das redes sociais, está em alta uma nova e lucrativa ciência do showbiz

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 30 jul 2020, 19h24 - Publicado em 17 abr 2020, 06h00

David Bowie morreu em 2016, mas continua “produzindo” novidades em meio à pandemia de coronavírus, em 2020. Seus fãs são bombardeados com lançamentos de discos, livros e singles. Os perfis de Bowie nas redes sociais revelam-se tão ativos quanto os de qualquer influencer de carne e osso: no Facebook ou no Instagram, fotos raras e informações relacionadas ao cantor são publicadas em notável volume, dando aos seguidores a sensação de que ele nunca partiu. O exemplo mais recente de seu excelente vigor além-túmulo é o álbum ChangesNowBowie, com nove músicas gravadas em 1997 e que chega às plataformas digitais nesta sexta-feira, 17. O single Repetition encontra-se disponível em serviços de streaming desde a semana passada e contabilizou nos primeiros dias quase 300 000 audições no Spotify.

PRINCE – Ano da morte: 2016 – O que o mantém vivo: o impressionante acervo de músicas inéditas, estimado em 20 000 canções e mantido na gaveta pelo artista hipercontrolador, pode enfim ser comercializado Bill Marino/Getty Images

+ Compre a graphic novel David Bowie. Stardust, Rayguns Moonage Day Dreams
+ Compre a caixa David Bowie. História, Discografia, Fotos e Documentos

Bowie é um caso eloquente, mas nem de longe solitário, em uma seara altamente lucrativa: a dos artistas mortos e bandas desaparecidas que, graças à atuação engenhosa dos responsáveis por seus espólios, permanecem no ar como marcas de potencial inesgotável. A perda dos ídolos costuma ter, em curto prazo, um efeito certo: eles vendem e são escutados mais do que nunca. Horas após a notícia da morte de Bowie, as vendas de seus álbuns cresceram 5 000%, segundo levantamento feito na época pela Nielsen Music. Semanas depois, no entanto, o frisson tende a passar. É quando entra em cena uma nova ciência do entretenimento, voltada para preservar esses nomes não só vivos como competitivos.

Desde ao menos o precursor do rock Elvis Presley, as gravadoras, empresários e herdeiros vêm extraindo ganhos com estrelas da música que já não estão entre nós. Ao longo das décadas, essa indústria foi se tornando mais especializada — e despudorada. Um exemplo é o rapper Tupac Shakur. Morto em 1996, ele “inaugurou” uma bem-sucedida trajetória póstuma, que foi de álbuns à sua ressurreição no palco como um holograma. Com o advento da internet, os espólios agora se desdobram em maneiras ainda mais criativas de manter seus defuntos em evidência.
Hoje, ter presença constante em redes sociais é essencial para conservar a imagem circulando — e, com isso, atrair mais ouvintes nas plataformas de streaming, por exemplo. Bowie conta com 1,4 milhão de seguidores no Instagram. Seu perfil posta, em média, uma nova foto a cada dois dias. Curiosamente, ele é seguido por outro morto famoso, John Lennon, que ostenta 1,7 milhão de seguidores e também publica com a mesma frequência. No Instagram, ambos não divulgam apenas “novidades” da carreira. Uma das postagens recentes de Lennon dava feliz aniversário ao filho Julian.

BEATLES – Ano do fim da banda: 1970 – O QUE OS MANTÊM VIVOS: filmes e documentários lançados de tempos em tempos, como a ficção Yesterday (2019), do diretor Danny Boyle, e o aguardado documentário The Beatles: Get Back, de Peter Jackson, previsto para este ano Chris Walter/Getty Images

A separação de Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr completou cinquenta anos no último dia 10. Os Beatles nunca saíram do imaginário das pessoas, mas recentemente andam tão falados que as notícias a respeito da banda parecem ter pernas próprias. Na Inglaterra, um leilão de memorabilia acaba de render o equivalente a mais de 4 milhões de reais. Em breve, será lançado o documentário The Beatles: Get Back, que reconta a gravação do álbum Let It Be, em 1969. O filme terá direção de Peter Jackson, de O Senhor dos Anéis, e poderá esclarecer quanto as rusgas nas gravações aceleraram o fim da banda. Individualmente, John Lennon e George Harrison — os dois beatles já falecidos — também viraram tema de documentários. No Instagram, Harrison mantém uma conta bastante ativa, embora sem tantos seguidores quanto Lennon — são 691 000.

+ Compre o filme Yesterday
+ Compre a caixa The Beatles. História, Discografia, Fotos e Documentos

Além da força natural de sua obra — o fator mais óbvio para um artista conservar-se relevante mesmo décadas após a morte —, a harmonia entre os herdeiros e a parcimônia na divulgação de novos materiais revelam-se fundamentais no processo. “Só de o herdeiro não atrapalhar, ele já faz muito para manter a imagem do artista viva”, diz o produtor João Marcello Bôscoli, filho de Elis Regina, morta há 38 anos. Astros como Tim Maia e Raul Seixas não alcançaram até agora a glória eterna em razão de quedas de braço entre familiares.

FREDDIE MERCURY – Ano da morte: 1991 – O que o mantém vivo: trabalhou incessantemente no fim da vida para produzir o máximo possível de material, que foi divulgado pelos colegas de banda postumamente. Hoje, o Queen continua excursionando e Mercury voltou à luz no filme Bohemian Rhapsody Suzie Gibbons/Getty Images

Elis, em contraponto, é um excelente exemplo brasileiro de resiliência no além-túmulo. Nos últimos anos, a cantora permaneceu em destaque com o lançamento de duas biografias, um livro de memórias sobre ela assinado por Bôscoli, uma série de TV, um filme, um musical e o resgate de seus discos antigos. No seu caso, porém, a família preferiu não criar perfis oficiais nas redes. “Acharia estranho se nós, os filhos, administrássemos um perfil da minha mãe e ela desse parabéns pelo meu aniversário”, afirma Bôscoli. No exterior, o espólio do cantor Prince, morto em 2016, segue receita idêntica. O peso de sua obra é incontestável, e não há divergências familiares a impedir a divulgação de seu trabalho (sua irmã, Tyka Nelson, é a única herdeira). O mais importante: Prince deixou um vastíssimo baú com material inédito. Se feito com parcimônia, o lançamento desse acervo renderá novidades sobre Prince por várias gerações.

Continua após a publicidade

+ Compre o livro Elis e Eu, de João Marcello Bôscoli
+ Compre o Blu-ray e Elis, o filme

Com espólios tão antenados, Prince e Bowie se impõem como novos gigantes de um mercado com velhos campeões, como Bob Marley (só o disco Legend, lançado pouco depois de sua morte, em 1981, vendeu 28 milhões de cópias) e Freddie Mercury. Morto em 1991, vítima de aids, o astro do Queen sabia que seu fim se aproximava e, como mostrado em 2018 na cinebiografia Bohemian Rhapsody, dedicou-se a compor músicas inéditas para a posteridade. Em 1995, seu grupo lançou um disco com parte dessas canções. O guitarrista Brian May e o baterista Roger Taylor continuam fazendo excursões com a marca Queen, mantendo Mercury em voga (e faturando com seu carisma, é claro).

ELIS REGINA – Ano da morte: 1982 – O que a mantém viva: o excelente relacionamento dos filhos com os fãs, além de lançamentos recorrentes de material sobre a artista, como biografias, musical, filme, série de TV e reedição de álbuns clássicos Pedro Martinelli/.

+ Compre a trilha sonora original do filme Bohemian Rhapsody
+ Compre o CD Scream, de Michael Jackson

Há casos, no entanto, em que a produção do artista é tão valorosa que nem brigas familiares ou controvérsias são capazes de ofuscá-la. Michael Jackson passou a vida em desavença com os irmãos. Após sua morte, em 2009, descobriu-se que ele estava atolado em dívidas, estimadas em 500 milhões de dólares. A administração do espólio do astro está conseguindo quitar os débitos e, agora, sua obra produz lucros para os três filhos. Em 2016, Jackson faturou 825 milhões de dólares, o maior valor anual já acumulado por um artista morto, parte em razão da venda de metade de seus direitos sobre o catálogo das músicas dos Beatles. Em 2018, o espólio de Jackson vendeu à Sony sua participação societária na gravadora EMI, arrecadando 400 milhões de dólares naquele ano. Desde a morte, ele já rendeu 2,1 bilhões de dólares — o equivalente, segundo a revista Forbes, ao valor que amealhou em 45 anos de carreira. O show não pode parar — nem quando seus protagonistas já tiverem ido embora faz tempo.

Publicado em VEJA de 22 de abril de 2020, edição nº 2683

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


David Bowie. Stardust, Rayguns Moonage Day Dreams

David Bowie. História, Discografia, Fotos e Documentos

Yesterday

The Beatles. História, Discografia, Fotos e Documentos

Elis e Eu, de João Marcello Bôscoli

Elis, o filme

Bohemian Rhapsody

Scream, de Michael Jackson

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade