Clique e assine a partir de 9,90/mês

A incrível história de Madam C.J. Walker chega à Netflix

Otimista e arrebatadora, nova série resgata trajetória da filha de ex-escravos que foi a primeira mulher milionária dos Estados Unidos

Por Raquel Carneiro - Atualizado em 22 mar 2020, 15h08 - Publicado em 20 mar 2020, 06h00

É com fervor quase religioso que Sarah Breedlove (Octavia Spencer) reúne mulheres ao seu redor, em uma feira de rua, para falar sobre um produto para cabelos crespos. A palavra milagre é repetida como um slogan poderoso que ela combina a outros apelos que parecem saídos de uma pregação: isso mudou minha vida e vai mudar a sua, garante, pouco antes de ouvir de uma das transeuntes um “amém”. A crença no produto vai além do resultado prático: tem uma missão capitalista nobre. Sarah promete empoderar mulheres negras, deixando-as mais bem-apessoadas, para que consigam melhores empregos e, assim, fiquem independentes. O cenário é o começo do século XX, e os efeitos da escravidão (abolida nos Estados Unidos em 1863) ainda são patentes. Na vida real, Sarah (1867-1919) batalhou com tenacidade para tirar seu discurso motivacional do âmbito dos sonhos. Ela foi de lavadeira a empreendedora da indústria dos cosméticos, tornando-se a primeira mulher milionária dos Estados Unidos. A trama de superação com algo de conto de fadas acaba de ganhar uma adaptação da Netflix: a minissérie em quatro capítulos A Vida e a História de Madam C.J. Walker.

+ Compre e-book Madame C. J. Walker, versão em Inglês

Antes de se casar com C.J. Walker (Blair Underwood), de quem tomaria emprestado o sobrenome que ficaria famoso no rótulo de seus produtos, Sarah viveu uma trajetória dramática. Filha de ex-escravos, ela fica órfã aos 7 anos. Aos 14, casa-­se e engravida. Aos 20, já está viú­va. Para sobreviver, trabalha colhendo algodão — atividade habitual aos escravos americanos, e que continuou por muito tempo nas mãos dos negros livres. Em Indianápolis, no Meio-­Oeste do país, Sarah lava roupas para famílias brancas. Afetada por uma doença no couro cabeludo comum às negras da época por diversos fatores, entre eles a falta de produtos adequados, ela é socorrida por Addie Monroe (Carmen Ejogo), mulher de cabeleira cacheada que cria um cosmético para cabelo afro.

VENCEDORA – A verdadeira Madam C.J. Walker (na direção): volta por cima Smith Collection/Gado/Getty Images

O produto inspirará Sarah a dar uma guinada, não sem antes provocar um conflito entre ela e Addie — que representa Annie Malone, outra empreendedora da vida real que ficaria milionária. A relação entre ambas é espinhosa: Addie, uma mestiça, não quer Sarah, negra de pele mais escura, associada à sua marca. A futura Madam C.J. Walker então elabora os próprios produtos em sua cozinha e os vende de porta em porta, até abrir o primeiro salão de beleza, depois a primeira fábrica e enfim se mudar para uma mansão em Nova York, transitando entre pensadores, políticos e famosos.

+ Compre o livro Oprah. Uma Biografia, de Kitty Kelley

Continua após a publicidade

Em essência, a série da Netflix é fiel à jornada da empresária. Mas uma bem-vinda liberdade criativa dá leveza aos episódios. Em vez de enveredar pelo tentador melodrama sobre uma vida de adversidades, o roteiro olha para as soluções encontradas por Madam C.J. Walker. A cada dificuldade, o humor surge como antídoto, aliado a intervenções oníricas imaginadas pela protagonista, uma mulher que não sabia ouvir “não” — e foram muitos, quase todos superados.

+ Compre o livro Minha História, de Michele Obama

Honrando o discurso da protagonista, que buscava elevar seus iguais, o time de roteiristas e diretoras é formado por mulheres negras — entre elas uma trineta de Sarah, a escritora A’Lelia Bundles, que assina a biografia que inspira a série. Caminho idêntico segue a trilha sonora, na qual standards do blues do século XX se mesclam ao hip-hop e rap atuais, com jovens talentos como a rapper Santigold e a cantora de soul Andreya Triana. Sarah, por si só, é uma personagem fabulosa. A embalagem de luxo da série faz jus ao estilo de vida que ela almejou — e alcançou.

Publicado em VEJA de 25 de março de 2020, edição nº 2679

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Madame C. J. Walker, versão em Inglês

Oprah. Uma Biografia, de Kitty Kelley

Minha História, de Michele Obama

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade