Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A história de ‘Baby One More Time’, que há 20 anos marcou a música pop

Canção de Britney Spears abriu portas para cantoras que tomariam as paradas musicais

Por Redação 24 out 2018, 18h21

Baby One More Time foi a canção responsável por lançar Britney Spears, então com 16 anos, ao estrelato. E, por pouco, a música deixa de ir para a futura popstar. O compositor Max Martin havia oferecido a faixa, que se chamava Hit Me Baby, inicialmente, para o grupo feminino americano TLC.

A banda recusou a música por acreditar que a letra fazia referência à violência doméstica. Hit Me Baby significa, literalmente, “me bata querido”. Na verdade, o uso das palavras foi um erro do compositor sueco, que ainda estava se inteirando das gírias americanas. Ele acreditou que “hit me” pudesse ser outra forma de dizer “me ligue”.

Antes de cair nas mãos de Britney, Martin ainda tentou passar a música — já com o título pelo qual ficou conhecida — para Robyn, cantora com quem já havia trabalhado. Não teve sucesso. A canção foi lançada na voz da princesinha do pop pela gravadora Jive Records, em 30 de setembro de 1998. Mas só atingiu as principais estações de rádio americanas em 23 de outubro do mesmo ano.

A música vendeu 500.000 cópias no seu primeiro dia de lançamento nos Estados Unidos. Lá, recebeu seis vezes o disco de platina, totalizando seis milhões de cópias vendidas. Foi primeiro lugar nas paradas da Bélgica, Alemanha, França, Holanda, Canadá e vários outros países. Fechou 1999 em terceiro no top 100 mundial da Billboard. No Brasil, foi lançada em fevereiro de 1999.

O jornal britânico The Guardian escreveu que, sem a faixa, não haveria espaço para nomes que viriam em seguida, como Christina Aguilera, e outras do futuro, caso de Katy Perry, ou Taylor Swift, que provavelmente ainda estaria cantando música country. Baby One More Time foi um sucesso de vendas e um marco para o pop, com letra e batida que cativaram seu público adolescente. Vinte anos depois, Britney disse ao The Guardian como foi a gravação. “Uau, passou rápido. Foi uma época divertida e louca, não é muito clara na minha mente”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)