Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A arte como valor de refúgio em tempos de crise: uma opção que incorre em riscos

Por Por Pascale MOLLARD-CHENEBENOIT 29 ago 2011, 19h34

Pode-se recorrer à arte como valor de refúgio, nestes tempos de vacas magras? É preciso calma e ter em mente que estes bens não podem ser vendidos de um dia para o outro, destacam os atores do mercado de arte, ouvidos pela AFP.

Num momento em que as Bolsas europeias conhecem uma forte queda, desde o início de julho, Fabien Bouglé, consultor especializado na administração do patrimônio artístico, considera que a arte “pode ser vista dessa forma, como bem material. Mas isso não quer dizer que uma obra de arte não perca também o valor”, observou.

No entanto, desde a tempestade financeira de 2008, “as obras de arte de grande qualidade e de origem excepcional são muito procuradas e não conhecem a crise”, destaca o presidente da Casa de Leilões Sotheby’s France, Guillaume Cerutti, citando os recordes atingidos, em 2010, por telas de Giacometti, Modigliani e Picasso.

“Neste sentido, as obras-primas podem ser consideradas valores de refúgio uma vez que transcendem a situação econômica”, estima Cerutti.

Em sua opinião, a arte contemporânea recente é mais sensível às crises. Artistas como o americano Jeff Koons ou o britânico Damien Hirst, cujas telas chegaram a milhões, sofreram com a precedente borrasca financeira.

A arte antiga e a moderna têm um bom desempenho, desde que sua qualidade e proveniência sejam impecáveis.

Continua após a publicidade

Para investir sem riscos em arte, é melhor ter os meios. Segundo Thierry Ehrmann, as obras de arte compradas por mais de 50.000 euros – e mais ainda, por mais de 100.000 euros – não sofrem com as crises. Em troca, as de menos de 5.000 euros podem sofrer depreciações.

A temporada dos leilões nem bem começou e os atores do mercado se mostram “razoavelmente otimistas”, segundo a fórmula de Cerutti.

Para o economista Philippe Chalmin, o mercado francês é apoiado pelos colecionadores chinês e russos.

No entanto, Chalmin prefere evitar a expressão “valor de refúgio” para as obras de arte, na medida em que elas não possuem, por exemplo, a mesma liquidez que o ouro, que ultrapassou em Hong Kong o patamar recorde de 1.900 dólares a onça, antes de recuar um pouco.

“Não se pode vender com rapidez uma obra de arte. É preciso, pelo menos, seis meses entre a decisão de se separar de um quadro e sua colocação à venda em leilão”, segundo Fabien Bouglé. Em seguida, “a obra deve ser mantida à parte durante um certo tempo, porque os colecionadores adoram novidade. “Deve mesmo ser esquecida por um período, para depois ser, de uma certa forma, reencontrada”.

Para o presidente da Sotheby’s France, Guillaume Cerutti, é claro que “a arte não deve ser, principalmente, um investimento financeiro”, a grosso modo. Não dá juros nem dividendos.

“São objetos únicos, procurados por colecionadores para seu prazer. O motor essencial não deve ser o lucro, mas o desejo”, destaca ele. Mas a valorização de um artista é pouco previsível no tempo, explicou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)