Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Pesquisa revela que Brasil é o país dos influenciadores digitais

Eles determinam como agem e pensam milhões de pessoas e, diante da indiferença das autoridades, ajudam a espalhar banalidades — apesar das boas exceções

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 1 jul 2022, 14h33 - Publicado em 1 jul 2022, 06h00

Houve um tempo, nem tão distante assim, em que ideias capazes de iluminar debates e indicar caminhos vinham de grandes personalidades de diversas áreas do conhecimento. Na política, Ulysses Guimarães guiou gerações com sua aversão à ditadura e amor à democracia. No campo da cultura, nomes como Carlos Drummond de Andrade, Di Cavalcanti e João Gilberto, entre tantos outros, inspiraram não apenas poetas, pintores e músicos, mas certamente milhões de brasileiros que os admiravam. Na ciência, Adolfo Lutz e Vital Brazil assumiram durante décadas o papel de propagadores do saber. Não foram poucas as vozes que, ao longo da história, ensinaram, balizaram e, afinal, influenciaram o modo de agir e raciocinar. A vida mudou, a sociedade é outra, e agora as grandes cabeças pensantes foram superadas por uma categoria barulhenta e numerosa, muitas vezes descuidada com a informação que divulga e que pode até assumir determinadas posições em troca de uma quantidade extraordinária de dinheiro. São os chamados influencers digitais, em inglês mesmo, indício de provincianismo para lá de tolo. É denominação afeita a designar indivíduos que seduzem multidões nas redes sociais.

arte influencers

Um estudo recente realizado pela Nielsen traça um quadro perturbador desse universo. A pesquisa revela que o Brasil é o país dos influenciadores. Existem 500 000 deles com ao menos 10 000 seguidores espalhados pelas diversas plataformas. Sob qualquer ângulo que se olhe, é muita gente: o número supera o total de engenheiros civis e iguala-se ao contingente de médicos (leia no quadro). Para além das questões práticas envolvidas — uma nação precisa mais de doutores ou de tagarelas exibidos que têm opinião sobre tudo? —, há outro ponto que merece ser mencionado. Essa turma destemida e aparentemente irrefreável determina o que milhões de pessoas vão consumir e influencia as suas visões de mundo agora e no futuro. Lembre-se, 2022 é ano eleitoral e os influenciadores estão por aí pontuando sobre o pleito, às vezes disseminando informações falsas e, nos casos mais graves, a soldo de políticos.

Sim, o Brasil é um dos campeões mundiais em tudo o que diz respeito a esse universo. Outro levantamento, das agências Hootsuite e We Are Social, mostrou que somos o segundo país que mais segue influenciadores (44,3% dos usuários da internet), atrás das Filipinas (51,4%), à frente de outras nações emergentes. Não é à toa. Lugares empobrecidos, com baixo nível educacional e poucas opções de lazer, formam o ambiente ideal para a propagação dos influenciadores a um clique. “As pessoas que estão à margem da sociedade enxergam o digital como um meio de ascensão”, diz Bia Granja, cofundadora da consultoria Youpix.

crédito: instagram @klebim
Kleber Moraes (klebim) – Reprodução/Instagram

Kleber Moraes (Klebim)

Assunto que aborda: carros de luxo
Número de seguidores: 1,7 milhão no Instagram
Destaque: chegou a ser preso, acusado de liderar um esquema criminoso de exploração de jogos de azar

Entre as várias preocupações que rondam o fenômeno, a principal diz respeito à profundidade dos temas debatidos. O escritor italiano Umberto Eco definiu a questão em um comentário célebre. Nunca é demais recorrer a ele: “As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Diziam imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que um ganhador do Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”. Como influencers, alguns idiotas da aldeia se tornaram vozes ressonantes de alcance monumental e parece não haver mecanismos para detê-los.

Crédito: instagram @gaules
Gaules – Reprodução/Instagram

Gaules

Assunto que aborda: games
Número de seguidores: 3,6 milhões na twitch
Destaque: durante suas lives, que batem recordes, o streamer costuma abordar temas sérios com os jovens, como a importância da saúde mental

Em certos aspectos, as redes sociais se tornaram terra de ninguém. Isso só favorece os influenciadores, que encontram campo livre para fazer o que bem entendem. Na área financeira, não são poucos os influencers que vendem a promessa de riqueza fácil e há até os que negociam pirâmides financeiras, o que é crime. No ramo da saúde, o perigo está à solta com os curandeiros que oferecem curas sem comprovação científica ou que fazem propaganda de remédios, o que também é ilegal. Não existe fiscalização e as autoridades pouco se debruçam sobre o assunto.

Crédito: instagram @felipeneto
Felipe Neto – Reprodução/Instagram

Felipe Neto

Assuntos que aborda: games, política, tecnologia
Número de inscritos: 44,2 milhões no YouTube
Destaque: megaempresário e maior youtuber do país em volume de fãs, costuma desafinar ao querer pautar todos os debates políticos

Como separar os profissionais sérios dos picaretas? Seguindo exemplos de outros países, o Brasil estuda a criação de leis para regulamentar o trabalho dos influencers, mas os textos estão travados no Congresso. O Código de Defesa do Consumidor e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) já preveem punições, mas isso não tem sido suficiente. “As medidas acontecem em ritmo mais lento do que a velocidade das mídias digitais”, diz a influencer de finanças Nathalia Arcuri, do canal Me Poupe!, reconhecida pela seriedade de seu trabalho. “A questão que enxergo como mais relevante é a responsabilização das plataformas pela entrega de conteúdo de desinformação. Não só os usuários precisam responder pelos conteúdos que publicam, mas também as plataformas.”

arte influencers

Os próprios influencers, especialmente os mais populares, deveriam tomar algumas medidas simples para não difundir bobagens. A primeira delas é não entrar em áreas que não dominam. “Durante horas de transmissão, surgem inevitavelmente assuntos diversos”, diz Alexandre Borba, o Gaules, segundo maior streamer do mundo, com mais de 3 milhões de seguidores. “Meu objetivo é promover entretenimento e diversão, mas, quando o assunto é sério, sempre incentivo a busca por ajuda profissional.” Consultar especialistas — o que o bom jornalismo sempre deve fazer — é algo pouco recorrente nesse universo.

Continua após a publicidade

crédito: instagram @nathaliaarcuri
Nathalia Arcuri – Reprodução/Instagram

Nathalia Arcuri

Assunto que aborda: economia
Número de inscritos: 7 milhões no YouTube
Destaque: na contramão dos charlatões do setor, que prometem soluções financeiras milagrosas, ficou conhecida por oferecer dicas sensatas

Os primeiros grandes influenciadores surgiram no YouTube, com a explosão de nomes como PC Siqueira, que se envolveu em toda a sorte de polêmicas, o humorista Whindersson Nunes, que anunciou um período sabático para cuidar da saúde mental, e Felipe Neto, o mais ativo no debate público. Aos 34 anos, doze deles dedicados a seu canal de vídeos, Neto é hoje um dos cinco maiores youtubers do planeta. Sempre em tom cômico, foi moldando o seu perfil e passou a adotar um tom engajado (até demais). O carioca é agora uma espécie de ombudsman da vida nacional, despejando ideias, análises e opiniões sobre tudo, mesmo sem ter o embasamento adequado — de futebol a política, de saúde a economia. Basta acompanhar por alguns minutos o que Neto diz para notar que suas proposições são superficiais e precipitadas, mas isso não impede que angarie multidões de fãs.

Iran Ferreira (luva de pedreiro) -
Iran Ferreira (luva de pedreiro) – Reprodução/Instagram

Iran Ferreira (Luva de pedreiro)

Assunto que aborda: esporte
Número de seguidores: 15,4 milhões no Instagram
Destaque: o jovem baiano viralizou por suas jogadas em campo de várzea, mas sofreu com a falta de profissionalismo de seu antigo agente

Em paralelo ao sucesso dos youtubers, cresceu o interesse por blogs de moda e estilo de vida. O conceito de “blogueiro”, por sinal, costuma se confundir com o de influenciadores. Os textos foram substituídos por vídeos, e o que já era banal ficou ainda mais raso. E dá-lhe desfile de corpos sarados e dancinhas recheadas de insinuação sexual. Nesse processo, uma onda de influenciadores migrou de outras redes para o Instagram e TikTok, e todas as plataformas acabaram dominadas por essa turma. Como não poderia deixar de ser, o dinheiro veio junto. As redes em que se ganha mais são o Instagram, o TikTok e o YouTube. Segundo especialistas, um influenciador médio, com algo como 100 000 seguidores, pode faturar cerca de 20 000 reais por mês. Um megainfluenciador chega a embolsar até 600 000 reais por uma única campanha. É o caso de Juliette, vencedora do BBB21, alçada ao estrelato em apenas três meses, e hoje com mais de 33 milhões de seguidores no Instagram.

crédito: instagram @juliette
Juliette – Reprodução/Instagram

Juliette

Assuntos que aborda: estilo de vida e música
Número de seguidores: 33,7 milhões no Instagram
Destaque: campeã do já batido BBB, virou cantora e símbolo de empoderamento feminino

As cifras monumentais explicam e retroalimentam o sucesso dessas pessoas. Quanto mais dinheiro ganham, mais atraentes se tornam, mais contratos publicitários assinam e, no final, passam a ser ainda mais influentes. Lá atrás, as profissões desejadas por jovens eram aquelas de sempre — jogador de futebol e piloto de avião, para ficar com as campeãs da preferência. Agora os anseios mudaram radicalmente.

crédito: instagram @eusougabriela
Gabriela Pugliesi – Reprodução/Instagram

Gabriela Pugliesi

Assuntos que aborda: saúde e estilo de vida
Número de seguidores: 5,1 milhões no Instagram
Destaque: cancelada e descancelada tantas vezes, a maior blogueira fitness do país não tem diploma de nutrição nem de educação física

Uma pesquisa realizada pela startup Inflr apontou que massacrantes 75% dos jovens brasileiros querem ser influencers e que 64% deles consideram a questão financeira a principal motivação. A promessa de renda garantida, ímã inescapável, contudo, não condiz com a realidade. Outro levantamento, da consultoria Atlantico, apontou que 23% dos influencers brasileiros não ganham 1 centavo sequer pelo trabalho nas redes — no máximo, recebem brindes das marcas. Metade do total fatura menos de 500 reais e apenas 14% embolsam mais de 2 000 reais mensais. “A profissão exige esforço e estrutura”, afirma Bruno Peres, professor da ESPM e pesquisador da USP.

A internet, reconheça-se, teve o mérito incontestável de levar informação para bilhões de pessoas. Isso é ótimo e não há volta, felizmente. Mas ela tem seus pecados, como permitir que pessoas superficiais — os tais influenciadores — moldem o pensamento das atuais e futuras gerações. É preciso atenção com os falsos profetas que pululam por aí, e que fecham as portas de quem pretende ser sério.

Publicado em VEJA de 6 de julho de 2022, edição nº 2796

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)