Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novas tecnologias resgatam lugar histórico da madeira na construção civil

Crescente preocupação com o meio ambiente tem levado as árvores a retomar seu papel no setor, sustentando, inclusive, prédios altos e vistosos

Por Amanda Péchy Atualizado em 4 jun 2024, 11h58 - Publicado em 15 Maio 2022, 08h00
/
(//Divulgação)

prédios madeira

Um dos materiais de construção mais antigos do mundo, a madeira já era usada 10 000 anos atrás para abrigar humanos em regiões cobertas de florestas. Os prédios de diversos andares promoveram o cimento e aço ao posto de materiais preferenciais, ficando a madeira reservada à estrutura de casas — nos Estados Unidos, 90% delas são erguidas em torno de uma moldura de pinho. O avanço tecnológico e a crescente preocupação com o meio ambiente, contudo, têm levado as árvores a retomar seu papel na construção civil, sustentando, inclusive, prédios altos e vistosos. “A construção com madeira se encaixa na indústria moderna: poupa material, tempo e dinheiro”, diz Marcelo Aflalo, professor da Faap, em São Paulo, e especialista nesse tipo de arquitetura.

Na Escandinávia, onde a vasta cobertura florestal faz da madeira um dos principais produtos de exportação, a tradição vem dos vikings, que usavam o material nas casas comunais das famílias importantes, caracterizadas pelo teto em forma de barco invertido. Na Suécia, a pequena Skellefteå, de 70 000 habitantes, busca recuperar a herança do passado pondo abaixo edifícios de concreto e erguendo prédios residenciais e escolas de madeira. Lá se encontra o grandioso Centro Cultural Sara, de vinte andares, que por algum tempo foi o mais alto do mundo no material. Atualmente, é superado pelo Mjøstårnet, na Noruega, que tem dois andares a menos, mas 10 metros a mais (85m). Curiosidade: ao projeto original foram adicionados cinco andares só para bater o recorde. Que logo será suplantado: o Ascent, de Milwaukee, no estado de Wisconsin, será inaugurado em junho com 86,6 metros de altura.

https://www.dezeen.com/2022/02/23/adjaye-mass-timber-plants-for-toronto-waterfront/
(//Divulgação)

prédios madeira

O avanço da madeira na construção deve-se ao desenvolvimento da chamada madeira engenheirada, composta de várias placas agrupadas e coladas ou no mesmo sentido — a MLC, madeira laminada colada, indicada para vigas e pilares — ou de forma cruzada, chamada CLT, de cross laminated timber, de uso geral. Segundo projeções da Economist, a demanda por madeira engenheirada deve aumentar 13% ao ano até 2025. Dois fatores estimulam o uso crescente da madeira nas edificações. Um é a sustentabilidade: os materiais convencionais respondem por um terço das emissões de gases que provocam o efeito estufa, sendo o cimento emissor de 6% do gás carbono liberado na atmosfera. Já as árvores, ao contrário, removem CO2 do ar, podem ser replantadas e seu produto é facilmente reciclado. Além disso, a madeira é encomendada e cortada sob medida por máquinas de alta precisão e os blocos são montados no canteiro de obra como se fossem peças de Lego, ao passo que nos prédios de concreto desperdiçam-se, em média, 35% dos materiais.

Em São Paulo, a empresa Amata, especializada em CLT, projetou o experimental Floresta Urbana, edifício de treze andares com escritórios, apartamentos e serviços na acidentada Vila Madalena, planejado em “degraus” para melhor se adaptar ao sobe e desce do bairro. “Quando começamos, em 2019, tínhamos 50 000 metros quadrados em projetos. Agora já são 2 milhões”, diz Ana Bastos, CEO da Urbem (fabricante da Amata), que vê inclusive uma experiência sensorial no ambiente feito de madeira. “O cheiro, o aconchego e a acústica produzem um efeito calmante”, garante. Nos Estados Unidos, destacam-se, além do recordista Ascent, o Carbon 12, ousado prédio de apartamentos de madeira e vidro com amplos espaços vazados situado no centro de Portland, no estado do Oregon.

Madeira certificada será a principal matéria-prima do edifício paulistano Amata, assinadopelo Tryptique. (Tomooki Kengaku/Revista CASA CLAUDIA)https://casaclaudia.abril.com.br/especiais/7-projetos-que-promovem-sintonia-com-a-natureza/
(Revista CASA/CLAUDIA)

prédios madeira

No Canadá, outro país com vastas florestas, o governo oferece financiamento especial a projetos sustentáveis e, cada vez mais, a madeira aparece em construções. A Tree Tower, de Toronto, terá em seus dezoito andares um misto de apartamentos e escritórios que transbordam para grandes terraços. A área portuária, em plena revitalização, vai abrigar um complexo de edificações onde a estrela é um prédio residencial ultramoderno totalmente feito de madeira. Um decreto da prefeitura de Amsterdã, na Holanda, exige que, a partir de 2025, um quinto das novas edificações seja de madeira. Com todos os seus benefícios, o uso de madeira na construção civil ainda é restrito. “É um material temperamental. Quem lida com ele tem de levar em conta aspectos como umidade, expansão e peso”, explica Daniel Asp, arquiteto da White Arkitekter, que projetou o Centro Cultural Sara, na Suécia. Diante da urgência por um mundo sustentável, porém, o retorno às raízes no ramo da construção é um caminho sem volta.

Publicado em VEJA de 18 de maio de 2022, edição nº 2789

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.