Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Filme de brasileiro terá vencedores do Oscar e nomes de Hollywood

Dono da estatueta de Melhor Fotografia por "Quem Quer Ser Um Milionário" e ator francês embarcam em projeto comandado por David Schurmann

Por Sabrina Brito 29 jun 2022, 16h55

O mais novo projeto de David Schurmann, diretor de filmes e CEO da iniciativa Voz dos Oceanos, incluirá grandes nomes do cinema internacional. O filme foi inspirado pela história real do pescador brasileiro que, há alguns anos, resgatou um pinguim à beira da morte, coberto de óleo, o que acabou por criar um forte laço entre essa dupla improvável. A amizade entre homem e animal viralizou em 2016, quando foi disseminada pelas redes sociais. O longa, chamado “O Pinguim e o Pescador”, contará com cenas rodadas no Brasil e na Patagônia.

Entre os participantes do projeto, estão Anthony Dod Mantle, vencedor do Oscar e do BAFTA na categoria Melhor Fotografia pelo filme “Quem Quer Ser Um Milionário” e parte de sucessos como “127 Horas” e “O Último Rei da Escócia”; Steven P. Wegner, que traz na bagagem filmes como “Blade Runner 2049” e “Os Suspeitos”; e o ator francês Jean Reno, que será o protagonista da história.

VEJA conversou com Dod Mantle e David Schurmann sobre as expectativas e inspirações do projeto.

O que te atraiu ao projeto?

Anthony Dod Mantle: Geralmente, me atraio por histórias que tenham alguma ligação com a realidade, mas que mantenham a sensação de algo inimaginável. Essa é uma das coisas que o cinema faz de melhor: encontrar a magia até mesmo em um evento cotidiano, com uma nova luz. A história do nosso novo filme desafia a compreensão que o homem tem da natureza animal, e, com isso, esperamos traduzir o enredo em um filme inesquecível.

Esse filme é parecido com os seus trabalhos anteriores?

Anthony Dod Mantle: Ele é semelhante aos outros trabalhos no sentido de que eu costumo gostar de desafios. É isso que cria a minha vontade de construir algo com que a plateia se identifique.

Como foi filmar no Brasil?

Anthony Dod Mantle: Eu nunca havia filmado cenas de drama no Brasil até agora. Hoje, posso ver muita luz e calor, o que me atrai ao país. Sinto na superfície o carisma do brasileiro, mesmo com os muitos problemas que ele enfrenta. O que mais me chama a atenção é conhecer e interagir com colegas e equipes que eu não conhecia, ver pelos seus olhos e corações a forma como eles enxergam o planeta, descobrir o que nós, como artistas, temos em comum, e compartilhar essa história magnífica juntos.

Continua após a publicidade

O que você espera da reação da plateia com o novo filme?

Anthony Dod Mantle: Eu nunca tento adivinhar o que o produto final trará, além de ser um filme que será visto por todo o mundo. A internet já comprovou o poder dessa história. Como uma narrativa em si, acredito em seu poder de comunicar com pessoas de todo o planeta. O tempo dirá o que efetivamente levamos ao público.

O que você mais quer mostrar com o filme?

David Schurmann: Quero levar as pessoas a descobrirem as relações entre os seres do nosso planeta. Mostrar que há esperança para essa relação, se nos respeitarmos. Mostrar que algo que parece impossível, é possível.

Por que ir atrás de nomes de Hollywood?

David Schurmann: O curioso é que foi Hollywood que veio atrás de mim, por causa de trabalhos anteriores meus. De imediato, adorei a ideia do filme e embarquei no projeto. Mas precisamos lembrar que o filme é internacional, mais que uma produção de Hollywood.

Qual a importância do novo projeto?

David Schurmann: A importância vem do fato de que se trata de uma história real sobre a incrível relação entre dois seres tão diferentes. Historicamente, estamos em um momento extraordinário, em que começamos a entender que os demais habitantes do planeta têm um valor fundamental. Além disso, eu sempre quis fazer um filme de ficção para que meu filho e minha mãe pudessem ver e se emocionar juntos. E para nós, brasileiros, é mais um espaço que conquistamos na grande indústria cinematográfica. É o Brasil ampliando sua presença nas telas do mundo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)