Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
#VirouViral Por Duda Monteiro de Barros Como surgem e se espalham os assuntos mais comentados da internet

No Facebook: as típicas “pequenas” corrupções brasileiras

Em seu perfil, farmacêutica reclamou de uma mulher que pegou vários produtos gratuitos fornecidos por uma campanha (mesmo que só tivesse direito a um)

Por Talissa Monteiro Atualizado em 30 jul 2020, 21h06 - Publicado em 15 dez 2016, 17h06

O desabafo da farmacêutica Natália Bilibio viralizou no Facebook. No post, ela expôs sua indignação com uma mulher que acabou com os brindes de uma campanha nas ruas de São Paulo (a seguir, exatamente como ela escreveu sua queixa):

Pra quem não sabe, o santander está fazendo uma campanha, disponibilizando Wi-Fi de graça e dando gatorades nas ruas. No entanto, para pegar gatorade é preciso digitar o cpf na máquina da foto (…) Hoje, uma moça chegou com uma sacolinha de mercado (daquelas de pano) e começou a mandar msg e ligar pras “amigas”, segundo ela, para passarem o cpf. Ela conseguiu acabar com os gatorades da máquina (sic)”.

Em entrevista a este blog, Natália contou que decidiu questionar a mulher sobre a atitude, mas que foi xingada e achou melhor não prosseguir com a discussão: “Na hora, até fiquei com raiva. Mas não era dela e, sim, do que aquilo representava. Falei que era a mesma coisa que jogar papel na rua. Ela não ia ser presa e ninguém ia perceber, provavelmente. Mas a consciência deveria pesar com isso. Depois de me xingar, ela me ignorou e continuou entrando na fila para pegar mais produtos”.

A decisão de compartilhar a história, segundo ela, veio logo depois. A intenção, porém, era compartilhar a história só com amigos. “Queria refletir sobre essas pequenas atitudes erradas, com as pessoas conectadas ao meu perfil. Só que alguns amigos ficaram indignados e começaram a compartilhar. Foi quando eu mudei o status de privacidade do post para ‘público’ e viralizou. Só não esperava essa repercussão toda. Depois disso, pensei em excluir, porque fiquei com medo de sofrer alguma retaliação. Mas decidi só mudar meu nome no perfil, como medida de segurança”, explicou.

Natália ainda relatou que recebeu várias mensagens perguntando por que ela não impediu a mulher. Porém, ela pondera que, no momento da discussão, ninguém se juntou à sua postura: “A fila para pegar o Gatorade estava enorme. As pessoas viram o que estava acontecendo e ninguém falou nada. Isso mostra que não estamos, nós, brasileiros, preparados para aproveitar iniciativas bacanas como essa. Aquelas nas quais é essencial contar com a honestidade alheia para dar certo”, concluiu.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês