Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

No afiado ‘Uma Noite em Miami’, luta antirracista vai além do discurso

Dirigido por Regina King, longa traz debates entre Malcom X, Muhammad Ali e Sam Cooke, figuras proeminentes na defesa dos direitos civis nos EUA

Por Raquel Carneiro Atualizado em 12 fev 2021, 10h20 - Publicado em 12 fev 2021, 07h00

No dia 25 de fevereiro de 1964, Cassius Clay, que viria a ser conhecido como Muhammad Ali, venceu seu primeiro mundial de boxe. O rapaz de 22 anos celebrou na companhia do cantor Sam Cooke, do jogador de futebol americano Jim Brown e do ativista Malcolm X. Pouco se sabe dessa reunião, que inspirou uma peça de teatro, adaptada para o cinema pela atriz e diretora Regina King. Ao longo da noite, os quatro, que despontavam como homens negros e poderosos no auge da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos, discutem suas visões em relação ao movimento. Afiado, o roteiro entra em questões complexas que vão além do discurso panfletário. Pontos extras para o elenco pouco conhecido — sobretudo Leslie Odom Jr., que dá bela voz a Cooke, o pai do soul. Disponível no Amazon Prime Video.

Publicidade