Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Vereador ri do Dia da Harmonização Facial; feminista repercute

Aprovação da lei na Câmara Municipal de São Paulo ainda precisa passar por mais um turno de votação

Por Valmir Moratelli Atualizado em 26 Maio 2022, 19h14 - Publicado em 26 Maio 2022, 19h11

Os vereadores da Câmara Municipal de São Paulo aprovaram nesta quarta-feira, 25, um projeto de lei que estipula o dia 29 de janeiro como o Dia da Harmonização Facial. A proposta, aprovada em primeiro turno, é do vereador Isac Félix (PL). A data faz referência a uma resolução do Conselho Federal de Odontologia, de 29 de janeiro de 2019, que reconheceu a harmonização facial como especialidade odontológica. O vereador Fernando Holliday (Novo), segundo-secretário, deu risadas ao ler a aprovação do projeto, massageando o queixo para outros políticos próximos. O gesto incomodou várias mulheres nas redes sociais, que interpretaram como um ato machista.

Maria Carolina Medeiros, pesquisadora de socialização feminina e doutoranda em Comunicação da PUC-Rio, explica como se interpreta essa risadinha do político: “Embelezar-se por embelezar-se era algo mal visto até o século 19. Depois, o processo de embelezamento vira algo possível de ser comprado, de modo que quem não entra na dança é ‘descuidada’. Cirurgias plásticas e procedimentos estéticos são normalizados a ponto de significarem prova de autoestima. A proposta do vereador não é ‘do nada’, porque ecoa na ideia de que beleza está atrelada à autoestima – ideia que foi construída de tal forma que nos vendem até procedimento pra deixar a vagina mais bonita”.

Fernando Holiday, em 2018, foi condenado pela Justiça a pagar uma indenização de 20 mil reais por ter acusado falsamente um militante de esquerda de ter cometido um crime. Em 2021, nova polêmica. O vereador foi denunciado pela Bancada Feminista (PSOL-SP) por transfobia. Em vídeo compartilhado pelo parlamentar em suas redes sociais, seu assessor chama mulheres trans de “homens” e as associa ao estupro de mulheres lésbicas.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)