Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Primeiro indígena na ABL? Ainda não vai ser desta vez

Neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho deve se eleger à cadeira 12 da Academia Brasileira de Letras, vencendo a disputa contra o professor Daniel Munduruku

Por Cleo Guimarães 17 nov 2021, 13h10

Depois de Fernanda Montenegro e Gilberto Gil, o terceiro dos cinco novos imortais da Academia Brasileira de Letras vai ser conhecido nesta quinta (18), numa disputa entre o neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho e os escritores e professores Joaquim Branco e Daniel Munduruku. Se for eleito, Munduruku será o primeiro indígena a entrar para o seleto clube da ABL.

“Isso não vai acontecer, lamento avisar”, afirma, peremptoriamente, um acadêmico com muitos anos de estrada na casa fundada por Machado de Assis. Apoiado efusivamente por Merval Pereira, Paulo Niemeyer deve se eleger “com bastante conforto” à cadeira 12 da Academia, vaga desde a morte do acadêmico, professor e crítico literário Alfredo Bosi, em abril.

Senador Fabiano Contarato: passeio na praia com o filho negro acaba em B.O

Além do apoio amplo, geral e irrestrito de Merval – o mais influente dos imortais mesmo antes de se eleger presidente, o que, nas cartas marcadas da ABL, acontecerá no mês que vem – Paulo Niemeyer (“Médico de mais da metade da Academia”), embrenhou-se, “apesar da timidez” numa campanha massiva entre os acadêmicos, encontrando-se pessoalmente ou telefonando para praticamente todos os votantes. Fez o que tinha de ser feito – assim como Munduruku.

Respeitado pela casa, o escritor indígena teve sua candidatura vista com bons olhos e seguiu os protocolos esperados por quem pretende entrar no grupo: enviou uma carta “gentil, educada e bem redigida” em que comunica sua candidatura e se apresenta aos imortais; mandou exemplares de seus livros a todos eles, para que conheçam sua obra, e colocou-se à disposição para conversar e trocar ideias, “sem ser impositivo”.

Graduado em Filosofia, doutor em Educação pela USP e pós-doutor em Linguística com ênfase na Literatura Indígena, na Universidade Federal de São Carlos, Munduruku conquistou a simpatia dos acadêmicos, que devem lhe dar dez ou doze dos 34 votos em jogo.

Com 52 livros publicados, ele será encorajado a tentar uma nova candidatura, em vaga que surja mais adiante. Agora em sua fase mais pop, a ABL quer mostrar que preza pela diversidade – e nada melhor que um indígena em suas cadeiras. “Não seria um favor. Ele é um intelectual, merece entrar. Só não é a hora ainda”, diz um outro imortal, mais um que pede anonimato ao falar com VEJA.

Joaquim Branco, diz o mesmo acadêmico, “com todo respeito”, carta fora do baralho. Corre o risco de ter, no máximo, dois ou três votos. “Talvez nenhum”, vaticina.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)