Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

“O coronavírus me impediu de trabalhar”, diz benzedeira de 101 anos

Lúcida e dona de ótima memória, Dona Albertina exercia seu ofício de segunda a segunda

Por João Batista Jr. Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 14 Maio 2020, 18h53

Lúcida, com raciocínio rápido e com uma rotina de trabalho diário, cujo início se dava por volta das 7 da manhã quando a primeira pessoa batia palma na porta de sua casa em busca de uma bênção. Foi assim ao longo das últimas oito décadas, de segunda a segunda, até chegar o coronavírus. Aos 101 anos de idade, Albertina Coutinho Barbosa acabou sendo proibida por seus médicos de atender o público em cima de seu fogão de lenha desativado, em sua residência na cidade de Extrema, na divisa entre Minas Gerais e São Paulo. Ativa e curiosa, a senhora de 1,50 metro e cabelo na altura da cintura está entediada. Até a eclosão da epidemia, Dona Albertina recebia mais de trinta pessoas por dia sem cobrar um centavo do visitante. “Tem gente que chega logo após o galo cantar. Mesmo se estiver deitada na minha cama, levanto para atender. Ninguém vem aqui porque está tudo bem”, diz.

Nascida em família humilde na zona rural de Consolação, cidade do sul de Minas, ela cresceu tomando remédios naturais. “Não havia farmácia nem dinheiro, então todos os males eram curados com o que tínhamos no quintal. Com 10 anos de idade, eu já sabia as receitas de cabeça”, lembra. A missão que a tornaria conhecida, no entanto, foi apreendida alguns anos mais tarde, após o casamento. A bisavó de seu marido benzia escravos em uma fazenda da região. “As criancinhas viviam em cativeiro e só podiam comer quirera. A bênção servia para confortar  o coraçãozinho delas.”

Dona Albertina com o pau e facão onde corte toda sorte de problemas: aprendeu o ofício com a bisavó do marido, que benzia crianças que viviam em fazenda de escravos (Antonio Milena/VEJA)

De criança, Dona Albertina entende. Ela teve catorze filhos, nove biológicos e cinco adotivos. “Perdi dois deles: um por cirrose e outra por um câncer. Podemos até nos acostumar, mas a dor não passa.” Uma de suas vaidades é falar como sua memória segue afiada. “Eu só tomo remédio para diabetes e hipertensão, mas a cabeça está boa. Sei a data de nascimento de todos filhos, netos, bisnetos e tataranetos.” Embora reclame de dores nas articulações, Dona Albertina se locomove sozinha com a ajuda de um andador. Seu cabelo tem mais fios pretos do que brancos. “Nunca pintei cabelo nem passei esmaltes nas unhas. Também pode colocar na reportagem que não sei o que é injeção.”
Um pedaço de pau, uma faca e muita fé são seus instrumentos de trabalho. Dona Albertina diz cortar toda sorte de adversidades: mau-olhado, inveja, depressão… Ela cita problema por problema enquanto bate com a ponta de um facão no pedaço de pau. Boa parte do público é composto por crianças trazidas por suas mães com questões de falta de apetite e dificuldade para dormir.  Traduzindo para o donaalbertinês: “quase sempre, quebranto e lombriga.”

Dona Albertina em sua casa, em Extrema: “nunca pintei meu cabelo nem passei esmaltes nas unhas” (Antonio Milena/VEJA)

A senhora de 101 anos não vê a hora de a pandemia acabar para voltar a dar expediente. Duas de suas filhas, Sônia e Ana, se revezam para cuidar da mãe, que concedeu o seguinte depoimento a VEJA.

“Comecei a trabalhar na roça ainda quando era criança. O pré-natal de meus filhos era feito assim: segurando a enxada. Daí chegava em casa, tinha o filho e depois vida normal. Criei todo mundo assim, em casa com luz de querosene. Eu não nasci pensando que seria benzedeira, mas a vida quis assim. A bisavô do meu marido cuidava de crianças escravas, que só faziam trabalhar. Não brincavam e só podiam comer quirera. Aprendi com ela. Quando eu me mudei para Extrema, há muitos anos, segui esse dom de cortar os problemas. Antes, eu cortava com a brasa do fogão a lenha mesmo. Eu não faço rezas, mas corto problemas. Com um facão, bato no pedaço de lenha para cortar as enfermidades. Hoje em dia, a cada mês, eu sapeco o pedaço de madeira no fogo para queimar os problemas.

Não fico com os problemas das pessoas, essa coisa de energia pesada. Corto os problemas e acabou. Dom é dom, não cobro nada. Essa é a minha vida. Macumba e feitiço não existem. Explico sempre para as pessoas: só existe Deus. E ele mora em nosso coração.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.