Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

“O Brasil não terá apagão de caixões”, diz diretor de empresas funerárias

Lourival Panhozi nega escalada de lucro, fala da saúde de funcionários do setor e retira apoio a Jair Bolsonaro

Por João Batista Jr. Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 2 Maio 2020, 16h15

Não existe risco de apagão de caixões no Brasil, as empresas funerárias não estão faturando mais, há uma norma para reduzir o valor das urnas para vítimas de coronavírus e o apoio ao presidente Jair Bolsonaro foi sepultado com a frase “e daí?”. Com resiliência e tristeza, o empresário Lourival Panhozi avalia o setor diante da escalada do número de mortes por coronavírus no país. O presidente da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário tem dezoito funerárias no interior de São Paulo e emprega diretamente 180 funcionários.

Lourival Penhozi, presidente da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário: orientação para associados cobrarem 40% menos na urna de vítimas de Covid-19 (Reprodução/VEJA)

O setor de agentes funerários tem faturado mais com a pandemia? Não. Em primeiro lugar, a nossa associação recomenda a redução de 40% do valor da urna quando a razão da morte é o coronavírus. O Brasil é um país continental, cada região tem um impacto diferente. Em zonas quentes, como Manaus e Belém, sim, há quatro vezes mais gente morrendo. O Rio de Janeiro tem visto um maior número de mortos também. Mas essa não é a realidade do interior de São Paulo, por exemplo. Eu tenho dezoito agências funerárias e sigo com a mesma média de serviços por mês: entre 380 e 400. Mas o negócio vai além das urnas.

Explique melhor. Com o protocolo atual, não existe mais velório. Então acabou uma série de serviços, como a tanatopraxia (maquiagem em defuntos) e coroas de flores. É errado, portanto, dizer que estamos faturando mais. A Organização Mundial da Saúde diz para manter alguma despedida simbólica. O enterro sem ritual vai causar impacto psicológico e criar um desalento muito grande. Em Manaus, onde a questão está nas mãos de serviços públicos ineficientes, a situação é pior: não se sabe ao certo onde fica a cova de cada um.

Continua após a publicidade

Há risco de funcionários do setor se contaminarem? O risco existe pela aglomeração e contato com os parentes, que nem sempre fizeram testes. Não há risco no manuseio do corpo. Já no leito hospitalar se dá uma medida de contenção do vírus, onde é colocado o primeiro invólucro no corpo. Na funerária, a urna é higienizada e ocorre um segundo invólucro.

O Brasil pode sofrer um apagão de caixões? Não há esse risco. Os fabricantes estão produzindo 30% a mais urnas por mês e, além disso, os agentes funerários têm estoque. Agora, é uma situação triste. As pessoas estão morrendo ao lado de médicos, mas sem receber assistência médica. O profissional muitas vezes está ali para assinar o atestado de óbito, já que não há respiradores nem estrutura. O sistema de saúde é péssimo há muitos governos.

Como o senhor avalia a gestão de Jair Bolsonaro durante a pandemia? Vou fazer uma confissão: eu votei no Bolsonaro, mas retirei meu apoio no dia em que ele falou “e daí?” quando questionado sobre o número de mortos que havia ultrapassado a China. Eu já perdi pai, esposa, primos. Não se fala uma coisas dessas. Se fosse um funcionário meu falando “e daí?” eu mandaria embora na hora, mas não tenho como demitir um presidente. O Bolsonaro costuma enumerar seus filhos, colocar escala de prioridade… gostaria de saber qual é o meu número para ele. Eu tenho orgulho do meu trabalho. Meu pai já era funerário. Tentamos manter o mínimo de dignidade para as pessoas se despedirem de seus entes queridos. Falar “e daí? foi a pior coisa que já ouvi de um presidente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.