Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Gente Por Cleo Guimarães Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Climão: a saia justa com o dono da Band na festa da emissora

Johnny Saad nega que haja queimadas na Amazônia e anuncia programação conservadora "para a família brasileira"; declarações são rechaçadas ainda no palco

Por Cleo Guimarães 8 dez 2021, 13h01

Não muito longo e de improviso, o discurso feito por Johnny Saad no Copacabana Palace gerou reações imediatas de duas personalidades que subiram ao palco do Prêmio Inspira Rio logo em seguida, numa sequência de saias justas rara de se ver em cerimônias festivas como a da chuvosa  noite desta terça-feira (7).

“Olha, eu quero deixar claro que acredito no país, sou otimista, mas acho que a mídia impressa anda muito rabugenta nessa questão do meio ambiente”, começou o presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação, falando a uma plateia formada em sua maioria por profissionais ligados à cultura, à ciência e à educação.

Fazendeiro e criador de gado, Saad defendeu a teoria de que a crise ambiental e as queimadas na Amazônia são frutos de exageros da imprensa. Mas só da concorrência. “Quando nossa equipe vai lá checar as denúncias, não bate. Simplesmente não bate. Sessenta e seis por cento do nosso território continua intacto, igualzinho quando Cabral chegou aqui”, afirmou.

Burburinho na plateia. Eduardo Paes foi chamado então para “dar uma palavrinha” ao público presente. Depois das saudações e da exaltação ao prêmio e à emissora, veio o comentário: “Johnny, acho que a gente tem que ser otimista, mas não sei se é muito popular você dizer que não estão queimando a Amazônia. O pessoal aqui não é muito simpático à causa do nosso presidente”, cutucou o prefeito do Rio. Ouviu-se o primeiro “Fora Bolsonaro” da noite, ainda que discreto, em meio aos aplausos.

O dono da Band também ouviu, sentado em uma poltrona de veludo verde na primeira fila, a resposta do ator e humorista Antonio Tabet à sua declaração sobre a emissora e sua principal atração para 2022: o programa de Fausto Silva. “Está bonito. Pode assistir com criança na sala que ninguém vai ficar constrangido”, disse.

“Televisão aberta é mais conservadora, se o sujeito quer mais tempero, mais pimenta, vai no cabo, na televisão paga. Ou vai procurar em horários bem mais tardios. A TV aberta é para a família brasileira”, enfatizou Saad, um dos empresários que esteve sentado à mesa do jantar organizado por Michel Temer, em setembro.

Ao ser premiado com o Porta dos Fundos na categoria “Destaque nas Redes”, Tabet rebateu: “O Porta dos Fundos, de fato, não é para toda a família. O Porta é para TODAS as famílias. Porque preto tem família e faz famílias. Gays, mulheres, trans, todos eles têm família e fazem suas famílias e o Porta dos Fundos é para todas elas”. Foi o segundo momento mais festejado da noite, perdendo só para a apresentação de Gilberto Gil, o grande homenageado do prêmio.

Ele cantou Aquele Abraço ao lado de Diogo Nogueira, e foi aplaudido de pé pela plateia. O Inspira Rio foi criado para reconhecer e valorizar pessoas, projetos e empresas que tenham se destacado em diversas áreas.

Continua após a publicidade

Publicidade