Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Os calvários da namorada e da sogra de Dario Messer na prisão

Mosquitos, percevejos, gatos e ausência de banho de sol

Por João Batista Jr. Atualizado em 4 dez 2019, 18h03 - Publicado em 4 dez 2019, 17h58

Presas no dia 19 de novembro em decorrência da Operação Patrón, um desdobramento da Lava Jato, Myra de Oliveira Athayde e Alcione Athayde foram levadas para a Penitenciária de Benfica, no Rio de Janeiro. Foi o começo do calvário dessas mulheres acostumadas com luxos. Mãe e filha foram colocadas na Cela 5, onde antes funcionava um depósito de lixo. Tomado por mosquitos, percevejos e gatos, a insalubridade do local gerou uma crise alérgica na pele de Myra, namorada do doleiro Dario Messer. Elas também não podiam tomar banho de sol.

Preocupada com o estado de saúde da filha, e com o mau cheiro insuportável do ambiente, Alcione chegou a fazer faxina dez vezes por dia na cela. Em vão. Os mosquitos não deixavam o local. Após inúmeros pedidos, na última semana elas foram transferidas para a Cela 5 do mesmo presídio. Alívio, mas nem tanto: as duas ficaram confinadas ao lado de outras catorze prisioneiras, entre assassinas e traficantes.

Ontem, no entanto, uma notícia boa de fato para mãe e filha. A juíza Caroline Vieira Figueiredo acatou o pedido elaborado pelos advogados Átila Machado (representa as defesas de Myra e Dario Messer) e Mauro Coelho Tse (defensor de Alcione Athayde): as duas foram transferidas na tarde desta quarta, 4, para o Presídio Nelson Hungria (Complexo Penitenciário de Gericinó- Bangu VII). O argumento acatado pela juíza: elas possuem nível de escolaridade superior, incompatível com o local em que se encontram custodiadas. Myra é advogada, enquanto sua mãe é médica pediatra.

Messer, ao ser detido em apartamento chique em São Paulo: o doleiro dos doleiros ./Divulgação

A nova vida das duas presas contrasta com o passado recente. Até pouco tempo atrás, elas viviam na companhia de Dario Messer em um apartamento de luxo nos Jardins, em São Paulo, com vista para as mansões do Jardim Europa, piscina coberta e quadra de tênis. Valor do aluguel: 35 000 reais. Foi dentro desse imóvel que a Polícia Federal prendeu Messer, no dia 31 de julho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês