Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Ator de peça surpreende na semelhança com Sidney Magal, ícone dos anos 80

Marcio Louzada fala do desafio de protagonizar o musical “Quero vê-la sorrir”, que estreia no Rio

Por Valmir Moratelli Atualizado em 25 Maio 2022, 15h55 - Publicado em 25 Maio 2022, 17h00

No ritmo do rebolado de Sidney Magal, o espetáculo “Quero vê-la sorrir – o musical” promete abrir as comemorações dos cinquenta anos de carreira do cantor ícone dos anos 1980 no país. Caberá ao ator carioca Marcio Louzada, 37 anos, interpretar o intérprete de sucessos bregas que hitam qualquer karaokê como, por exemplo, “Sandra Rosa Madalena”, “Meu Sangue Ferve Por Você”, “Tenho”, “Amante Latino”, “Me Chama Que Eu Vou”. A peça estreia sexta-feira, 27, no Teatro Claro Rio. A seguir, o bate-papo de Louzada com a VEJA.

O que mais te surpreendeu na pesquisa para compor o Magal?

Foi conhecer um artista multifacetado, com uma pegada super popular, mas ao mesmo tempo criativo e diferente. Magal é um personagem forte. Sua ousadia ao incorporar um estilo latino-americano sensual, além dos figurinos bastante extravagantes, fez história no showbizz e continua fazendo até hoje.

Ele é símbolo para uma geração. Como é sua relação com ele?

Conheci o Magal ainda criança, na onda da lambada com a música “Me Chama Que Eu Vou”, tema da novela “Rainha da Sucata”. Eu já adorava dançar nessa época e ganhei até um concurso de lambada com essa canção, que era a febre do momento, numa festa junina do condomínio que morava. Também recentemente, num almoço em família, a pedido da minha mãe e minhas tias, todas fãs incontestáveis do Magal, soltei o gogó com “Sandra Rosa Madalena”.

Ele foi um dos primeiros homens a desmistificar o rebolado no país. Você também rebola muito em cena?

Continua após a publicidade

E como eu rebolo! O bom de preparar um personagem nos tempos atuais é a ajuda da internet, onde temos bastante conteúdo para ser acessado. E, certamente, isso me ajudou na composição dos trejeitos do Magal, assisti a praticamente todos os vídeos disponíveis. Além disso, fiz muitos anos de ballet clássico, o que me possibilitou uma melhor preparação.

Ele já viu algo da peça?

Ainda não, mas a expectativa é grande e será uma surpresa. Mas já nos conhecemos pessoalmente e ele ficou impressionado com a minha escolha para o papel.

Você se acha parecido fisicamente com ele?

Com certeza! Além do tipo físico de 1,90m de altura, temos um timbre de voz semelhante.

Marcio Louzada e o cantor Sidney Magal
Marcio Louzada e o cantor Sidney Magal Divulgação/Divulgação

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)