Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

Astronauta da Nasa revela os 342 dias numa estação espacial

O astronauta da Nasa Scott Kelly fala como venceu seu recorde de permanência em uma estação, tema do livro "Endurance", recém-lançado no Brasil

Por Letícia Fuentes
10 dez 2017, 11h59

 

Quase um ano no espaço. O que foi mais empolgante nesse tempo? A caminhada espacial, sem dúvida. Basicamente, é quando saímos da estação espacial para fazer reparos ou explorar o exterior. É muito perigoso, porque há a possibilidade de muitas coisas darem errado, desde sermos atingidos por rochas espaciais até ocorrer alguma falha nos equipamentos.

Por que aceitou a missão, mesmo ciente desses perigos? Acredito no programa espacial. O perigo de estar constantemente exposto à radiação ou o risco de despressurização da nave ou incêndio dentro da estação existem. Houve um episódio em que perdemos o controle e quase fomos atingidos por lixo espacial. Mas sempre gostei de coisas arriscadas. Experiências como essa nos dão informações em longo prazo sobre a resistência humana à falta de gravidade no espaço — isso nos ajudará, eventualmente, a ir a Marte.

Continua após a publicidade

Como é ver a Terra de cima? Não existe nada igual. É lindo, mas também assustador. A atmosfera parece frágil, e você percebe que algumas partes do planeta estão cobertas pela poluição. Entre meu primeiro voo, em 1999, e meu último, em 2015, também notei que as florestas diminuíram.

O que mudou no seu corpo após a missão? Quando voltei para a gravidade, tive inchaço nas pernas, além de ficar muito cansado e enjoado em certos momentos. Parei na emergência de um hospital, com sintomas muito fortes de gripe. Levei seis meses para voltar ao normal.

O que o senhor fazia para passar o tempo no espaço? A Nasa mantinha minha agenda de afazeres bem apertada. No pouco tempo livre, costumava responder a e-mails e conversar com minha noiva e minhas filhas. Também tirava fotos da Terra para postá-las nas redes sociais e assistia à TV. Vi Game of Thrones quase inteiro no espaço.

Continua após a publicidade

Quais são as coisas mais difíceis de fazer sem gravidade? Não dá para colocar as coisas em cima de uma mesa ou no chão — tudo tem de estar preso, para não sair flutuando por aí. Mas há vantagens. É mais fácil mover objetos grandes e pesados.

O senhor acha que iremos a Marte nos próximos anos? É o próximo passo na exploração espacial. Isso depende de haver financiamento. É caro. Mas, definitivamente, acho que é possível.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.