Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

A tecnologia que anda tirando o sono dos carnavalescos na Sapucaí

Criadores das escolas de samba do Grupo Especial do Rio explicam seus enredos para 2024: Porto da Pedra, Unidos da Tijuca, Mangueira, Viradouro e Vila

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 16h43 - Publicado em 22 jan 2024, 09h05

Na possibilidade de se debater o carnaval além do que é visto na Sapucaí, a coluna “abre alas” para os carnavalescos das escolas de samba do Grupo Especial do Rio explicarem seus enredos o que o público pode esperar das apresentações. Neste primeiro programa, os convidados são Mauro Quintaes, carnavalesco da Porto da Pedra; Alexandre Louzada, da Unidos da Tijuca; Guilherme Estevão, que assina o carnaval da Mangueira junto com Annik Salmon; Tarcísio Zanon, carnavalesco da Viradouro; e João Vitor Silveira, pesquisador de enredo da Vila Isabel, cujo desfile é preparado por Paulo Barros.

 

Uma das novidades da Sapucaí, testada já no ano passado, é a nova mesa de iluminação cênica, que possibilita que as escolas adaptem as luzes para cada momento do desfile. A modernidade anda mexendo com o mundo do samba. Alexandre Louzada acha válida a experiência de inovação, mas com cautela. “Ter tecnologia por ter não faz sentido nenhum. Mas tudo que está sendo proposto, acho que está ficando muito bom. A gente evolui, se adapta”, diz. Mauro Quintaes concorda. “As novidades têm que ser analisadas para que não alterem o significado exato do carnaval, que é a cultura popular. O samba tem que ser preservado”. Tarcísio Zanon acredita que este seja um caminho sem volta. “Meu único receio é pensar nessa tecnologia sem descaracterizar a essência da festa”. João Vitor Silveira defende o mesmo ponto de vista de Paulo Barros, seu carnavalesco. “Paulo tem compreensão bem estabelecida que não são coisas gratuitas, tem que se integrar tecnologia com propósito e equilíbrio”. Por fim, Guilherme Estevão também tenta o meio termo nessas inovações. “A gente tem que buscar equilíbrio e entender que a festa é feita pelo povo e para o povo, é ele quem tem que ter evidência ali. É um espetáculo formado por cênica, canto, dança, conjunto de elementos que constroem toda a apresentação”, diz. Assista ao debate.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.